Arquivo do mês: fevereiro 2013

dos limites e do ócio

Discordo bastante do senso comum sobre limites. Não acho que o principal problema das crianças seja falta de limites. Ao contrário, a vida delas já é bastante limitada, bem mais do que foi na minha geração. O que falta, na verdade, é tempo (com os pais, para o ócio, para não fazer nada, para fazer de tudo um pouco, para brincar, para errar…) e espaço (físico-literal, mas também figurado. Não há espaço para a infância, que é experimental e errante por natureza, numa sociedade em que, de repente, tudo é “orientado para resultados”).

Daí que venho pensando bastante nisso e, hoje, boa surpresa, encontro esse texto aqui no MMqD. Direto ao ponto, bota os pingos nos “is”. Estamos criando pessoas ou um exército de futuros yuppies que vão falar 15 línguas, ter experiências internacionais, MBAs, conhecimento sobre vinho e gastronomia nanomolecular e, paradoxalmente, não farão a mínima ideia de quem são?

Recomendo a leitura.

E, aproveitando, vale ver esse vídeo aqui, do sempre ótimo Carlos González. Com muito bom humor, tiradas irônicas e algum deboche, ele fala o que precisa ser dito sobre limites. Está em espanhol, infelizmente sem legendas. Mas, no geral, dá pra entender bem. E vale a pena.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em reflexões

“Tila Mozae. Põe Macucô”

Domingo, 20h41, trabalhando, ouvindo “I will“, saudade louca do blog bate, resolvo passar por aqui. Me surpreendo: faz quase dois meses que não posto NADA. Céos! E –ironia– justamente num período em que tem tanta coisa rolando por aqui.  Enzo se desenvolve tão rapidamente que, a cada dia, parece que o pai e eu deixamos escapar algum detalhe. “Onde foi mesmo que ele aprendeu isso?” tem sido uma das perguntas mais comuns por aqui.

Ele já fala bem (muito bem) para a idade –e para o pouco tempo desde que se atreveu a soltar as primeiras palavras. Forma frases, dá ordens (“senta, mamãe!”;  “pá lá, papai!”), nomeia o mundo ao seu redor com desenvoltura, paixão e orgulho. Tudo precisa receber um nome agora, de modo que ele passa boa parte do dia apontando para as coisas e repetindo os substantivos relativos a elas. Ou então contando e recontando façanhas dele ou nossas (“bô veja mamãe” sobre quando eu quebrei um copo com cerveja na semana passada; ou “tem agá Queissê”, sobre quando ele achou um copo com água no quarto da “tia” Clarisse, a mulher do meu irmão).

Canta o dia inteiro, um pouco de tudo. Músicas que existem (“cá cá, baion; cá cá, baion”) e outras que ele mesmo inventa (letra, música, harmonia).

Pergunta todos os dias das pessoas e coisas mais queridas, uma atrás da outra: papai? tu Já (tio Zé, meu irmão)?, Noná (minha sogra)? ti Di (tio Diego, amigão aqui de casa), vovô (meu pai)? vovó (minha mãe)?, Queissê? Totó (o cachorro de pelúcia)? Jojó (a gata)? Loló (Léo, o leão de pelúcia)? No looping.

E aí agora deu pra perguntar, de todas essas pessoas, quem tem pipi. Pois é. Cá estou eu explicando diariamente a um bebê:  não, mamãe não tem pipi. Papai tem, tu Já tem, vovó não tem, nem a Queissê… Quer saber? Adouuuuro e dou muita risada com a curiosidade infinita e as tiradas espirituosas.

Ganhou CDs novos e já sabe quem é Mozart, que ele chama de Mozae. “Tila Mozae. Põe macucô”, me pedea quando cansa de ouvir o austríaco e prefere voltar ao bom e velho “Na Casa da Ruth” (projeto bacaníssimo: músicas de Hélio Ziskind sobre poesias de Ruth Rocha, cantadas por Fortuna e pelo Coral Infantil do Sesc Vila Mariana). “Macucô” é como ele chama “macaco”, e refere-se à primeiro faixa do álbum, chamada “Lá vem a macacada”.

Já são 21h. Uma olhada rápida no relógio do note me lembra de que preciso voltar ao trabalho remunerado, que paga as contas aqui de casa e que, no fim das contas (com o perdão da repetição) também é fonte de prazer pra mim. Vou nessa, mas não sem lamentar. Tanta coisa para contar a registrar e eu aqui, ocupada, sem tempo.

Estou terminando vários posts sobre nossa pequena epopeia familiar-educacional, que culminou comigo e com o Dri tirando Enzo da escolinha –aliviados, felizes– depois de apenas três dias. Prometo que conto tudinho, desde a visita às escolas até as razões pelas quais decidimos desescolarizar o pequeno por enquanto.

Enquanto isso, compartilho esse vídeo ótimo do Carlos González (adouuuuuro) falando justamente sobre escolarização de crianças muito pequenas (“A escola infantil não é necessária para as crianças”, dispara ele, logo de cara. González, já disse que te amo?!?). Já deixo, assim, uma pista do que nos levou a optar por adiar a entrada do Enzo no mundo educacional. González fala em catalão, mas as legendas estão em espanhol. Não é ideal, mas não encontrei em português. Dá para entender e vale muito a pena, garanto.

Deixe um comentário

Arquivado em Maternidade, reflexões