o renascimento do parto

"Maternite" (1963), de ninguém menos que Picasso (*)

“Maternite” (1963), de ninguém menos que Picasso (*)

A OMS (Organização Mundial de Saúde) recomenda que as cesáreas representem, no máximo, 15% dos partos. No Brasil, no entanto, já atingimos o alarmante número médio de 50% de cesáreas. Isso botando na conta a população parturiente como um todo. Quando se levanta os mesmos números computando apenas as mulheres atendidas por hospitais particulares, a quantidade de cesáreas passa dos 80%, chegando aos 90% em alguns casos. Ou seja, o contrário do que a OMS define como ideal para resguardar a saúde da mãe e do bebê.

O Brasil é, hoje, o país mais “cesarista” de que se tem conhecimento. Na Europa, para uma comparação rápida, as cesáreas somam 25% dos partos. Eu faço parte das estatísticas, fiz uma cesárea (relatos aqui e aqui). E, por tudo o que li sobre isso depois do parto, também me incluo no grupo das que sofreram uma cirurgia desse porte desnecessariamente. Somos maioria, infelizmente, como mostram os números.

Penso que tem muita coisa que explica porque, em questão de duas gerações, as mulheres simplesmente deixaram de parir. Mas duas delas me chamam mais a atenção.

1) O medo: é assustador (e muito) ter outra pessoa crescendo dentro da sua barriga. É muito assustador imaginar como essa pessoa vai sair de lá, especialmente quando você é mãe de primeira viagem e não tem muita ideia de como serão as coisas e do que esperar, de fato, na hora do parto. Por mais que outras pessoas compartilhem suas experiências, só no momento do seu bebê nascer é que você vai saber como um parto funciona para você.

E esse medo vem sendo usado habilmente pela indústria da cesárea para convencer as mães de que, no seu caso, cesárea é fundamental. Indiscutível que cesáreas bem recomendadas salvam e salvaram muitas vidas. Mas acho meio impossível que, de repente, quase todas as mulheres tenham gravidezes de risco ou partos de risco. Desculpe, mas a conta não fecha.

2) O mito: Nada melhor que um bom mito para assustar definitivamente quem já estava com medo. Pois hoje a gente, coletivamente, passou a acreditar que as mulheres não têm condições de parir, que é preciso todo um preparo e um investimento em ginástica, terapias variadas, natação etc etc etc (que nem todas podem pagar) para parir um bebê por vias naturais.

Ou, se você não for masoquista a ponto de fazer questão de sofrer, e tiver grana, pode pagar pelas “maravilhas” da ciência num hospital de ponta. Garantia de cesárea.

Esse é o discurso explícito ou implícito tanto nas rodinhas de mulheres quanto na mídia ou nos consultórios de obstetras por aí. Quem pode ou paga para se preparar para o parto (como se realmente fosse preciso) ou paga para não ter de fazê-lo. E não falo só de quem opta por uma eletiva de cara, não. Falo de quem, como eu, ficou morrendo de medo a gravidez inteira e não teve coragem de bancar, de fato, o próprio parto normal.

É por tudo isso que o documentário “O Renascimento do Parto” está chegando em boa hora. Era para ter sido lançado no ano passado, não foi. Há um mês, mais ou menos, houve uma sessão especial para convidados, e o trailer está rolando pelas redes sociais e madresfera. 

Não assisti à projeção para convidados, mas o promocional me fisgou. Tem Michel Odent, por exemplo, questionando o que vai ser de uma sociedade que não produz mais o “hormônio do amor”, a ocitocina. Nunca tinha pensado nisso. Que mudanças veremos no mundo quando mulher nenhuma parir seu próprio filho?

Pra refletir –e muito.

(*) A bela imagem do gênio espanhol eu peguei daqui ó.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em reflexões

2 Respostas para “o renascimento do parto

  1. Sério que esse documentário ainda não saiu? Vi esse video há muito tempo, até tinha começado um post pra compartilhar também, mas infelizmente nunca saiu dos rascunhos. Sempre fiquei curiosa pra ver o documentário completo.
    Nat, querida, Obrigada pelo carinho sempre. Li o último post e me trouxe boas reflexões. É por isso que adoro esse blog, pelas reflexões e pelas informações. Sempre saio daqui edificada de alguma forma. Parabéns pela pessoa e mãe que é.
    Obrigada pelo carinho sempre.
    Beijo grande!

  2. Pingback: renascimento do parto # 2 – a boa notícia | mãederna

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s