Arquivo da tag: amamentação

carta aberta à Margarida

"Maternite" (1963), de Pablo Picasso (*)

“Maternite” (1963), de Pablo Picasso (*)

Margarida, querida, li seu blog ontem. Fiquei muito preocupada com você. Não por estar “passando fome”. Mas por ter sido enganada. Acho que não é bom para um bebê –ou para qualquer pessoa– ignorar fatos tão importantes e essenciais para sua própria vida, especialmente se esse engano é fruto de informações distorcidas que favorecem –ó, por acaso– indústrias milionárias, que ganham dinheiro por aí incentivando mães a fazer da exceção a regra.

É por isso, querida, que resolvi escrever esse pequeno texto para você. Vou ser objetiva, tá? Para começar, você pode não estar com fome. Bebês choram por muitos motivos, a maioria não relativos a condições fisiológicas. É engano de adultos achar que, se a criança estiver alimentada e limpa, não deve chorar. Choro é tudo o que alguém da sua idade tem de recurso para se expressar. Se quiser colo, se quiser sair do berço/carrinho, se sentir medo… vai chorar. Simples.

Se você estiver mesmo com fome, tenha certeza absoluta de que não é por causa de “leite fraco” ou “pouco leite”. Essas coisas são tão reais, meu bem, quanto o Papai Noel, o Saci, o Bicho Papão e as Princesas Disney. Mães, salvo raríssimas exceções (mulheres com problemas fisiológicos cientificamente diagnosticáveis), são sempre capazes de produzir leite para seus filhos. Somos mamíferos, sabe? Mamamos ao nascer. Portanto, nosso corpo, se saudável, está apto a produzir leite. Essa é a regra. E não fui eu quem inventou. Tem sido assim desde que surgimos por essas bandas. E deu certo. Dizem que nossa espécie tem cerca de 70 mil anos. O leite artificial é uma invenção bem mais recente, que começou a “vingar” mercadologicamente falando há coisa de 40 ou 50 anos atrás. Amamentar, querida, não é “moda”. Pelo contrário. É sobrevivência. Sorte dos bebês é que, apesar dos esforços da indústria, cada vez mais mães estão se dando conta disso.

Aí você pode argumentar, Margarida, que hoje em dia muitas e muitas mães sentem que têm pouco leite, seus bebês não engordam como prevê o pediatra, não dormem o previsto entre uma mamada e outra e acabam engordando “bem melhor” depois de introduzido o leite artificial na amamentação. Ok, isso é uma meia-verdade. De fato, essas coisas acontecem, mas não pela razão que fizeram você acreditar. Eis os motivos verdadeiros (ou, pelo menos, comprováveis pela ciência e divulgados por pessoas bem mais isentas que a indústria do leite artificial, como o estudioso de amamentação e pediatra catalão Carlos González, que não ganham nem um centavo a mais quando uma mãe consegue amamentar seu filho):

1) Estamos perdendo o elo com o que é natural e fisiológico, com conhecimentos que eram transmitidos de geração em geração quando vivíamos de modo mais simples. Pediatras –e mulheres mais velhas– não explicam para as novas mães coisas básicas de sua própria fisiologia, que ajudariam muito a estabelecer uma amamentação eficiente e que eram conhecimentos disponíveis às mulheres antigamente. Ao contrário, o mundo cheio de pressa diz às mães que o “certo” é amamentar por 10 ou 20 minutos em cada peito, de três em três horas. González diz que o estabelecimento dessa regra –sem o mínimo apoio científico ou embasamento comprovável– foi o golpe de misericórdia na amamentação. Porque, para a sua mãe produzir leite materno adequado à sua necessidade, Margarida, é preciso que você mame em livre demanda, que fique “pendurada no peito” o tempo inteiro, por quanto tempo quiser, especialmente nas primeiras semanas. O contrário disso aí que recomendam na maternidade e na pediatria, em geral. Sua mãe sente que tem pouco leite (e talvez até produza menos do que você precisa) porque você mama pouco. A glândula mamária produz na medida do que é estimulada. Pouco estímulo resulta em pouco leite e vice-versa.

2) Outro problema é estabelecer uma regra de “engorda” que precisa ser seguida semanalmente. Tem bebês que não engordam muito no começo mesmo. Outros engordam mais. E isso não é necessariamente um problema. Enquanto mãe e filho estão se conhecendo e organizando o início da amamentação, não seguir a tabelinha de engorda do pediatra à risca não significa que o bebê passa fome ou que terá prejuízo futuro. Sem contar que a tabela é feita com base no que engordam os bebês na média. Se hoje a média dos bebês toma leite artificial, que engorda mais, é natural supor que a média suba. O que, de novo, não significa dizer que o bebê mais magro não esteja recebendo alimento adequado. Ao contrário, ele “só” está sendo alimentado por um leite menos gordo e, portanto, mais saudável (vamos voltar a isso, peraí).

[Adendo às 00h53 de 28/11: nos comentários, a Luara Almeida esclarece que as novas curvas de crescimento da OMS, de 2006, são agora baseadas em bebês alimentados por leite materno. Obrigada pela contribuição. Tomara que isso reduza as expectativas gerais de ganho de peso em recém-nascidos, ainda elevadas, um dos principais argumentos usados por especialistas para “identificar” “leite fraco”]

Resumindo, Margarida: se uma mãe acha que produz pouco leite, ao invés de dar o artificial, o ideal é que bote o filho em tempo integral no peito. Isso resolve a imensa maioria dos casos, pois a “pouca” produção deriva apenas do “mau” uso do equipamento. Bebês engordam mais quando tomam LA, mas isso é bom? Crianças engordam quando comem batatas fritas e tomam refrigerante… Crescer e se desenvolver adequadamente é uma coisa, e há muitos fatores que identificam se esse desenvolvimento está acontecendo, não apenas uma tabela de peso influenciada por padrões de engorda artificiais.

E, para encerrar, querida, que já me alonguei demais, quero registrar que o leite artificial não é nada parecido com o materno. O leite materno é o único alimento completo e indicado ao recém-nascido, não só porque tem as doses exatas de proteínas, carboidrato e gorduras de que um bebê humano precisa, mas porque é composto por mais de uma centena de componentes impossíveis de se replicar no leite artificial. Além disso, transmite ao filho uma infinidade de anticorpos. E, o que é mais impressionante, como não é industrializado e padronizado, cada leite de cada mulher é único, específico para aquele bebê, transmitindo a ele anticorpos adequados às doenças encontradas em seu entorno.

Quer mais um dado interessante? A Alfa-lactoalbumina, uma das principais proteínas do leite materno (representa entre 10% e 20% da proteína total) protege contra mais de 40 tipos de câncer. Isso só para te dar alguns exemplos. A ciência, quanto mais estuda, mais comprova o que nossos antepassados já sabiam. Não precisamos de LA, Margarida. Quase nunca. Só em casos excepcionais. Nossos quase 70 mil anos de vida sem indústria de leite não me deixam mentir.

PS: quando vir a Maria novamente, explica para ela parar de pressionar sua mãe, que precisa é de apoio. Pesquisa recente, publicada na reputada Pediatrics, mostra que a ansiedade prejudica a amamentação exclusiva. Taí outra explicação para o número crescente de mães que acham que não podem amamentar.

Boa sorte para você e tomara que sua mãe encontre ajuda em alguns dos vários grupos de apoio à amamentação, como esse, esse ou esse aqui.

(*) A imagem do gênio espanhol veio daqui.

Anúncios

125 Comentários

Arquivado em Maternidade, reflexões

com a cria nos braços

Na semana passada, assisti a alguns vídeos e entrevistas que a Anna Gallafrio, Life Coach especializada em mães, concedeu ao Mamatraca. O conteúdo é muito bom, reflexivo, recomendo. Mas o que me chamou mais atenção, no entanto (talvez pelas convicções que eu vim alimentando por aqui desde que me tornei mãe), foi ver que a Anna estava trabalhando com a filha mais nova, Corinna, 100% à tiracolo (às vezes mamando).

Essas imagens, especialmente a tranquilidade da pequena no sling enquanto a mãe cumpria sua jornada profissional, me emocionaram muito. Estavam ali, materializadas para quem quisesse ver, muitas das ideias que tive, tenho e que compartilhei/o com várias mães blogueiras (como as queridas Mariana Sá e Nine) sobre o falso dilema carreira x maternidade. Não precisamos escolher. Não há escolhas. O que há, ainda, é um mundo profissional (e social e cultural etc etc etc) profundamente separado (das) e hostil às nossas necessidades naturais e humanas mais profundas, como a de acolher nossos filhos e de sermos acolhidos quando bebês.

Essa dicotomia só “existe” porque o mundo do trabalho nos desumaniza quando não nos oferece a possibilidade de exercermos uma tarefa que nos garanta o sustento (e também alguma parcela de satisfação) enquanto cuidamos dos nossos filhos. Nos desumaniza também porque sua lógica desvaloriza nossas emoções, sentimentos e afetos. E sobrevaloriza todo o resto, incluindo a racionalidade (que supostamente nos garantiria igualdade e justiça, veja só) e um punhado de distrações.

Na hora em que vi o vídeo da Anna, me lembrei da Licia Ronzulli, a deputada italiana que, em 2010, foi ao trabalho no Parlamento Europeu com a filha no sling. A foto dela amamentando e, ao mesmo tempo, votando no Parlamento correu as redes socias. Ao contrário de ter sido uma exceção à regra, Ronzulli continou levando a filha ao trabalho, pelo menos até 2012.

em 2010 (*)

em 2010 (*)

e no ano passado (**)

e no ano passado (**)

Não vou discutir a questão de o ambiente não ser adequado para uma criança pequena crescer, até porque não sei com qual periodicidade a menina vai ao Parlamento com a mãe nem quais atividades lúdicas ela faz lá ou em outros ambientes. Suspeito até que, ainda que ela estivesse lá, com a mãe, 4 horas por dia, 5 dias por semana, seria mais saudável que estar com estranhos nas escolinhas que eu conheço por aqui. Mas essa é outra conversa.

Lembrei também, ao ver a silenciosa, sutil e profunda “revolução” da Anna Gallafrio, desta ideia genial aqui: um espaço de co-work em que os filhos não são apenas aceitos, mas muito, muito bem vindos em um ambiente projetado para os pais, mas também para as crianças que estarão por perto. Aqui tem um caminho do meio, não? Aqui tem um caminho natural, não? Para manter a metáfora que a Nine usa com frequência, desconheço leoa que deixe os filhos com a vizinha pra caçar. Sou mamífera. Quero caçar com a cria nos braços!

ambiente recebe bem mães, pais e filhos para ... trabalhar (***)

ambiente recebe bem mães, pais e filhos para … trabalhar (***)

 

Ah, já quase ia esquecendo: está aí abaixo o vídeo que mais me tocou, de todos os que vi da Anna com a Corinna (e não por acaso, como toda a série com ela no Mamatraca, fala de carreira e maternidade):

Imagens de: (*) G1, (**) Mirror e (***) Garatujas Fantásticas

7 Comentários

Arquivado em Maternidade, paternidade, profissão, reflexões

duas imagens sobre amamentação

contei que tive dificuldades para amamentar. Falta de experiência, pouco conhecimento, um tanto de ansiedade e outro tanto de irritação no pós-parto, um pediatra pró-leite artificial e uma gineco avessa à aleitamento materno tudo junto misturado não poderia dar em outra coisa: comecei a dar LA pro Enzo pouco menos de uma semana depois que ele nasceu, o que culminou num desmame precoce aos 6 meses. Ainda hoje lamento minha ignorância, que prejudicou muito o aleitamento do meu filho. De modo que acho muito importante disseminar informações sobre isso.

Achei essas duas imagens no feicebuque hoje: uma da Nutriz e outra da Amor Maternal, respectivamente. Lá vão:

Você encontra as imagens também aqui e aqui.

1 comentário

Arquivado em Maternidade, reflexões

working mom

Este post é candidato ao concurso “O melhor post do mundo da Limetree” 

Mãe está ao telefone. Ela é jornalista, trabalha de casa, está de pijamas e cabelo preso em coque por um… lápis. Enquanto ouve atentamente o sujeito do outro lado da linha -sua fonte para uma matéria especial que tem de entregar no dia seguinte-, percebe uns ruidinhos vindos do quarto.

Em dois (sim, eu disse dois) segundos, os ruidinhos viram uma sucessão de “ilééé ilééé ilééé” em volume crescente. Ok, filho acordou e já no limite da fome, o glutãozinho. O que fazer com bebê, fonte, entrevista?

– Hã, o sr. me dá licença por um segundinho?

– Claro.

Ufa! Corre pro quarto, doida, e pega seu filho!

Bebê no colo, razoavelmente mais calmo, mamãe volta pra sala, pega o telefone e tenta, tenta, continuar a entrevista enquanto desabotoa o soutien para amamentar o pequeno, que começa a resmungar alto de novo.

– Então, o sr. falava sobre…

E a fonte retoma o raciocínio, não sem um tico de constrangimento.

Em pé, a mãe segura o telefone com a orelha e o bebê com uma das mãos, tentado encaixar o peito na boca dele. Com a outra, vai digitando como dá o que o entrevistado fala -e o que ela consegue entender do que ele fala.

– Crescimento de dois dígitos (…) novas indústrias no segmento (…) exposição depois dos itens de maior giro (…) mais vendas no canal (…) consumo das classes emergentes (…)

– O sr. pode repetir esse número, por favor?

E ele repete. E ela não anota de novo.

Guarda na memória, guarda na memória, guarda na memória. E segura o Enzo direito, pelamor!

Bebê está se contorcendo, fazendo caretas, reclamando e mamando nada, desconfortável. Primeiro que a mãe mal consegue segurá-lo. Segundo que ela ainda não botou o peito direito na boca da criança.

– Então, o importante é a exposição dos itens.

Calma, filho! Mamãe já vai terminar aqui. Não, não, não ainda, não. Ainda tenho que perguntar sobre a margem. E o f… é que está interessante pra c… Shhhh! Não pensa palavrão perto do menino!

Ilééé ilééé ilééé em alto e bom som de novo. Mãe torce pro moço entrevistado ser meio surdo e tenta trocar o bebê de peito. Quem sabe do outro lado fica mais fácil? Não fica. E o fio do telefone está pendurado no rosto do pequeno. Deu certo não, volta tudo ao arranjo anterior.

– O sr. citou as margens brutas, eu gostaria de saber…

Tu é corajosa mesmo de lançar uma pergunta dessas nessa situação!

Mãe chacoalha a si mesma tentando chacoalhar o filho.

Calma, filho! Calma, mãe!

Bebê chora de novo. Meio torta, em cima de um pé só, se equilibrando com o outro sobre a cadeira pra melhorar a posição do filho, a mãe acerta o peito e a boca.

– Temos de ponderar isso com…

Anota isso que importaaaante! Digita errado mesmo, desde que não perca o número!

Enzo começa a mamar finalmente. Mãe respira aliviada por mais dois segundos. E a vida segue.

PS 1: post originalmente publicado em 18/8/2011

PS2: Vote aqui para ajudar este post a ser escolhido o melhor do mundo! 🙂

4 Comentários

Arquivado em lado B

eu sei o que vocês fizeram no verão passado

Já escrevi por aqui sobre os problemas que eu tive durante a amamentação de Enzo, que culminaram no desmame precoce do meu filho, aos seis meses. Fui mais uma que caiu no “conto do vigário” do “você não tem leite”. Não culpo apenas o pediatra (que, ainda bem, dispensamos). Nem a minha obstetra (que me fez sair da maternidade com LA “prescrito”, e que nunca -nunca mesmo- quis conversar comigo sobre amamentação durante a gravidez, mesmo eu tendo feito zilhares de perguntas). Nem nenhuma das zentas pessoas que me deram “conselhos” errados sobre amamentação, ou que reforçaram o mito do “não tive leite”, “meu leite secou”, “dá só um pouquinho de LA que o leite materno é fraco” e blá blá blá.

Tenho meu quinhão de culpa -ou de responsabilidade, pra gente fugir dessa coisa autoflagelante religiosa- e o assumo. Escrevi sobre isso, me impliquei no problema, sei que errei, sei que fui medrosa, ansiosa, precipitada e pouco madura. Estava menos informada do que deveria, com medo, suscetível, pois, a qualquer bobagem e foi em bobagens que acreditei.

Tudo isso pra dizer que, depois dessa minha experiência e de tudo o que aprendi -especialmente na blogosfera- sobre amamentação, virei entusiasta não apenas de amamentar, mas de disseminar informações sobre isso, de forma a ajudar outras mães em situação parecida com a minha para que elas tomem as decisões certas que eu não tomei.

E eis que, nessa mesma blogosfera, descobri, dia desses, o blog “a mãe que quero ser“. O que me levou a ele foi justamente um post sobre amamentação, que mostrava que a SPB (Sociedade Brasileira de Pediatria) recebe patrocínio da Nestlé, uma das grandes produtoras de LA (é a dona do NAN, por exemplo). Bacana, não? (ironia mode on). Alô, doutores, será que não há um conflito de interesses aí?

Clarissa, a autora do blog, destrincha muito bem essa ligação nesse post aqui. E vai mais longe, no segundo post da série, aqui ó. Ela mostra, por exemplo, que as empresas fabricantes de LA colocavam representantes vestidas de enfermeiras, em hospitais, para propagandear as “qualidades” do produto. E, pior, diz que essas empresas financiam pesquisas e dados que servem de subsídio para o trabalho dos pediatras, entre eles uma tabela de “desenvolvimento” ideal de bebês que, claro, diz que mais saudável é o bebê que engorda na proporção que engordam os bebês alimentados por LA, não por LM (que geralmente engordam um pouco menos, pois LM é menos gorduroso e menos calórico).

Entre outras qualidades, acho que os posts põem a nu o que as corporações “fizeram no verão passado” (sabe como?) e que, no mínimo, ajudou a sociedade a chegar nesse estado de coisas que vemos hoje, em que quase ninguém consegue amamentar até os seis meses (mínimos), que dirá até os 2 anos, como recomenda a OMS (da qual o ex-pediatra do Enzo fazia pouco caso, sério mesmo).

Acho tão importante o esclarecimento que Clarissa está fazendo que passei por aqui hoje só pra recomendar os dois posts dela:

SBP, Nestlé e como essa aliança afeta você (parte 1)

SBP, Nestlé e como essa aliança afeta você (parte 2)

Já a minha experiência com amamentação eu relato, principalmente, em:

O pediatra nem sempre está certo

Amamentação: faria tudo diferente

ADENDO

A Nívea, do “Que Seja Doce“, fez um comentário bem pertinente. Ela contou que, no seu caso, realmente não teve leite. Mesmo com apoio na maternidade, curso, mesmo o bebê tendo acertado pega e mamada logo de cara, mesmo com o bebê mandando bem, não rolou. O filho mamava, mas chorava de fome. A mãe ficava horas tentando extrair o leite com a bombinha e só saía 20 ml. Daí que foi necessário da LA, claro.

E, em casos assim, é ótimo que exista o LA, é ótimo que as mães deem mesmo LA, sem culpa, sem cobranças. É para isso que o LA serve -ou deveria servir: situações em que realmente não há condições de amamentar com LM. E é claro que existem situações como essa aos montes por aí, não vamos criar o mito ao contrário.

Esse post é para todos os outros casos, que infelizmente são a maioria, de mulheres que poderiam ter amamentado e que foram mal orientadas, que estavam mal informadas que, por uma série de informações desencontradas, acabaram no LA, mesmo estando tudo ok pra seguirem com LM (apesar das dificuldades, como foi meu caso, como parece ter sido o caso da Adriana, do “Fora do Casulo“, que também comentou).

Agradeço mega a Nívea por ter contado a experiência dela, até pra gente não esquecer de mencionar que há, sim, situações em que realmente não rola manter a amamentação. Ponto.

4 Comentários

Arquivado em Maternidade, reflexões

da preocupação materna e do (quase) sobrepeso

Veja só como são as coisas: a mamãe preocupada que o filho come pouco, que deveria comer mais, que a papinha que ela faz não é boa/gostosa/comível, que ela está fazendo alguma coisa errada, que etc etc etc.

Daí tem a consulta mensal com a dra. Pediatra. E Enzo cresceu super bem, percentil 50. Só que engordou “melhor” ainda, percentil 85, o que faz do minimenininho um bebê com… risco de sobrepeso. Conclusão da médica: Enzo come “pouco”, pois tem, literalmente, gordura para queimar. E, no fim das contas, não deve estar comendo tão pouco assim.

O IMC da cria está em 19,9, o que significa quase chegar ao sobrepeso, segundo a tabela da OMS. E o índice veio subindo consistentemente. Aos 3 meses, por exemplo, era só 16,8, ou seja, estava na normalidade. Não sou especialista, mas arrisco algumas razões para isso:

1) Mamadeira 1. O LA é calórico, geralmente mais calórico que o LM. Cada mamadeira com 90 ml tem, em média, 475 calorias. E a cria mama mesmo, sem medo de ser feliz. São 4 ou 5 por dia, de 120 ml a 180 ml cada. Mais um ponto super contra o aleitamento artificial. Se ainda mamasse no peito, certeza que não teria engordado tanto. Não à toa, quando ele ainda mamava mais no peito que na mamadeira, seu IMC era considerado normal. Só ultrapassou a normalidade na medição dos 6 meses, quando Enzo já estava praticamente desmamado.

2) Mamadeira 2. Enzo acostumou a dormir chupetando o peito. Como não mama mais, transferiu o aconchego para o bico da mamadeira, de modo que prefere dormir mamando. Sei que preciso desacostumá-lo disso. Se ainda fosse o seio, ok. Mas a mamadeira nem gera vínculo nem nada, só atrapalha, pois o bebê acaba mamando mais do que precisaria, só pelo hábito. E, aos 8 meses, ele já come outras 5 refeições por dia (2 papinhas e 3 frutas). Tantas mamadeiras dispensáveis, portanto. Faz um tempo que tento dissociar soninhos do dia das mamadas; vou ter que me empenhar mais nisso.

3) Chorou, mamou. Tenho o péssimo hábito (blame on meus ancestrais italianos) de achar que Enzo sempre quer comer. Ele dá uma choradinha mais aguda ou insistente e já saco logo a mamadeira ou a papinha ou uma fruta. Claro que testo outras hipóteses antes de dar de comer, mas tendo a achar que ele sempre está com fome. Não sabia -ainda- que isso estava sendo prejudicial, até porque estava ligeiramente encanada com o suposto pouco apetite da cria. Bom, hora de começar a desvincular comida de choro, pois. Talvez Enzo até esteja mesmo acostumado a se acalmar com a comida. Mas isso não é legal nem do ponto de vista emocional.

4) Excesso de legumes. A dra. Ped acha que estou colocando legumes demais na comida dele. Na papinha de hoje, por exemplo, tem batata, beterraba, abóbora, além do espinafre e da leguminosa (no caso, lentilha). Segundo ela, não são necessários três tipos de legumes por refeição, nem legumes tão calóricos, com tanto carboidrato (da batata eu já conhecia a fama, mas, sinceramente, não tinha ideia de que os outros dois também eram do grupo dos “engordativos”).

Sempre coloco diversos tipos para variar na cor (e nas vitaminas, consequentemente). Prato colorido é mais saudável, sabe como? Acontece que isso é válido do ponto de vista de oferecer vitamina, mas não funciona para evitar calorias. A recomendação da dra. é dar um legume calórico combinado com um de baixíssima caloria (tipo chuchu ou abobrinha) na mesma refeição (mais o cereal, a leguminosa e o vegetal folhoso). No dia seguinte, substituir esse legume calórico por outro de mesmo teor de caloria, mas de cor (vitamina) diferente.

Fez sentido pra mim. E acho que pode ajudar inclusive Enzo a experimentar os alimentos individualmente. Porque eu já estava querendo parar de fazer “papinha” propriamente e começar a dar os alimentos amassados, mas separados. A médica liberou e, com menos legumes na lista, isso será mais fácil. Também estou engrossando a comida aos poucos, seguindo recomendações da Mari (nos coments daqui ó) e da Ped.

O quase sobrepeso não é nada sério, claro.  Quando Enzo começar a gastar mais calorias, engatinhar, andar, vai emagrecer naturalmente. Nem vou encanar com coisa de “regime” pelamor, que não se faz isso com bebês. Mas acho bacana prestar atenção para oferecer alimentação cada vez mais equilibrada e evitar excessos, ainda mais frutos de hábitos ruins.

E nunca é cedo demais para uma dieta que favoreça saúde, bem estar e que vá, desde agora, ensinando Enzo a comer bem. Uma coisa com a qual nós, mães dessa geração, temos de lidar sempre é com um certo “fantasma” da obesidade infantil, infelizmente uma quase epidemia: 15% das crianças são obesas no mundo. No Brasil, índice um pouco menor, 10%. *

* Dados e mais infos daqui, daqui e daqui.

PS: Vou organizar melhor a alimentação do Enzo criando um cardápio semanal, até para dar conta de intercalar esses legumes todos sem que o pequeno perca em variedade. Isso também vai ajudar a variar mais os pratos, que Enzo enjoa facilmente. Pra isso, vou ter de dar uma boa pesquisada nas propriedades (calóricas e vitamínicas) dos alimentos. Quando tiver sistematizado tudo, posto aqui, junto com algumas receitas prometidas.

2 Comentários

Arquivado em livro de receitas do minimenininho, Maternidade

o livro de receitas do minimenininho

Clichê, mas fato:  maternidade muda a gente; muda nossas perspectivas e, por consequência, muda praticamente tudo. Quem me conhece sabe que não cozinho. Adoro comer bem, me interesso por gastronomia (pop), um dos meus sonhos de consumo é completar a coleção de livros do Jamie Oliver (shame on me) e, quando dá tempo, confesso que até assisto aqueles realities de chefs (Top Chef, Master Chef, Batalha dos Cupcakes, Great Food Truck Race, os do Gordon Ramsey…céus!).

Porém, cozinho quase nada. Em geral, quando temos de cozinhar, quem assume a liderança das panelas é o Dri, que faz um ótimo trabalho, diga-se. Claro que me viro bem no trivial; o problema não é falta de habilidade, mas de vontade mesmo. O basicão é chato demais de fazer. Já os pratos mais elaborados, cuja elaboração me atrai mais, bem, nesse caso, boto a culpa na conta do tempo. Confesso, sempre que tenho um tempinho livre, prefiro investi-lo lendo um livro-revista-jornal ou vendo um filme ou tuitando, ou blogando, ou lendo a blogosfera (mamífera e não-mamífera) ou passeando com a família ou bebendo (suco) com pessoas queridas.

Mas eis que ontem me surpreendo comprando um caderno de… receitas! Isso mesmo, daqueles que as avós tinham para anotar receitinhas tipo: “Pudim de leite Moça da Maricota”, “Rosca doce da tia Nena”, “Empadão de frango da Alzira” (as receitas da Vó Mimi sempre tinham algum nome próprio associado. Acho que ela só incorporava ao caderno receitinhas já testadas “pelazamiga”). Só que esse caderno, ao invés de receitas das amigas da minha avó, estará recheado de pratinhos e papinhas e suquinhos do Enzo.

A ideia não surgiu de uma pretensão gastronômica dessa mãe, mas da mais absoluta necessidade de me organizar para dar conta dessa nova fase da vida do bebê. Desorganizada que sou e pouco afeita às panelas, o único jeito de manter alguma lógica na alimentação do Enzo é escrever receitas, dicas, montar cardápios semanais, colocar no papel o peso que cada grupo de alimentos deve ter e, daí em diante, combinar os ingredientes.

Porque, convenhamos, as orientações pediátricas não são lá muito intuitivas. Se, na nossa infância -e nas gerações anteriores- as mães iam introduzindo os sólidos na dieta na base da tentativa e erro e do “bom senso” (sopinhas de legumes, arrozinho-e-feijãozinho batidos no liquidificador, caldinho de carne), hoje é quase preciso fazer um minicurso de nutrição para iniciar a alimentação dos pequenos.

Por exemplo: a recomendação da pediatra do Enzo, que é uma fofa e tenta sempre “traduzir” o “mediquês” para mim, é: desde sempre, oferecer uma dieta equilibrada. Nada de evitar esse ou aquele grupo de alimentos. Então, as papinhas seriam compostas sempre por um sem-número de combinações entre cereais, carnes (proteína animal), tubérculos, leguminosas (proteína vegetal) e folhas verdes. Só que as mudanças nas combinações desses ingredientes devem ser feitas um a um. Não dá para trocar couve por escarola e arroz por quinoa na mesma papinha. Como eu, a desorganizada que não gosta de cozinhar, vai dar conta disso tudo a contento se não for com um livrinho bem feito de receitas à tira-colo?

É assim que está surgindo, aos poucos, o livro de receitas do meu “minimenininho”. Porque, agora que vai comer sólidos, acho que posso promover o Enzo de bebê para minimenino, né? É um passo importante na evolução dos pimpolhos começar a se alimentar de outras fontes que não a mãe. Já li diversas vezes, dita por pessoas diferentes, uma expressão que afirma mais ou menos que o corpo dos bebês não os proveem de tudo o que eles precisam, restando ao corpo da mãe a tarefa de complementar o filho em necessidades tão básicas quanto comer, dormir, se mover, controlar as emoções etc. Acho genial essa definição de quanto bebês e mamães são um só. Assim como acho que o início desse “desligamento” e dessa “individuação” é uma etapa importantíssima para nós e para eles. Começar a comer -ao invés de basicamente se alimentar do que a mãe produz ou mesmo de LA- é um passo nessa direção, dentre tantos que Enzo já está dando (nessa fase, eles começam a perceber também que não SÃO a mãe. Enzitolino tem ficado carente, carente…).

Estou pesquisando e inventando receitas de papinhas que vou compartilhar aqui no blog, depois de devidamente testadas e aprovadas (critérios para entrarem definitivamente no livro de receitas). Tive muita dificuldade para achar receitas factíveis, especialmente para as primeiras refeições salgadas. O que se encontra por aí são papinhas tão elaboradas e carregadas de ingredientes “pesados” (fígado, por exemplo) que o bom senso pisca aquele sinal de alerta que talvez seja melhor não começar a alimentar um bebê com esse tipo de alimento.

Acho que a primeira dica que posso dar, antes mesmo de uma receita, são de algumas leituras interessantes, para não dizer obrigatórias, que estão servindo para mim como um manual, uma espécie de carta de navegação.

1-) Aqui tem a cartilha 10 Passos para a Alimentação Saudável para Menores de Dois Anos. É de 2010, foi elaborada pelo Ministério da Saúde e pela IBFAN Brasil, uma rede internacional pelo direito de amamentar. Também leva o selo da Organização Pan-Americana da Saúde e segue diretrizes da OMS.

Graficamente bem organizada, é fácil de consultar e tem informações bem básicas, mas muito úteis na hora do perrengue que é definir cardápio, decidir quando e como dar carnes, que legumes usar, se repete ou não legumes e papinhas, se insiste ou não se o bebê não quiser, qual importância da alimentação e do leite na dieta dos pequenos e aquela longa lista de etc que as mammas sabemos.

Também fala de coisas um tantinho mais complexas, como experimentar ou não doces e industrializados, mesmo os mais “saudáveis”, como iogurtes. Segundo a cartilha, não se deve deixar crianças nessa faixa etária experimentarem esse tipo de produtos. Parece óbvio, mas eu mesma já fui instada por um bocado de gente a deixar Enzo experimentar um “pedacinho” disso e daquilo para ele não “passar vontade” (como se ele soubesse o gosto que essas coisas têm). E mais: açúcar e doces só depois de um ano, NO MÍNIMO.

E recomenda que, a partir dos seis meses, a mãe sempre ofereça ao bebê água tratada, filtrada e fervida.

2-) Para quem quiser aprofundar mais e entender de onde vem a cartilha e ainda ter acesso a algumas informações mais, digamos, científicas (com bibliografia e tudo o mais), vale a pena dar uma olhadinha nesse link aqui, que é do Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos. O que eu tenho foi editado em 2002, também pelo Ministério da Saúde e pela Organização Pan-Americana da Saúde. É basicamente o mesmo material, só que voltado a profissionais de saúde, portanto mais “técnico”, menos superficial.

Por isso, tem algumas informações bastante importantes que o Manual não tem: quantidade ideal de calorias/dia para os bebês e crianças, de quais fontes essas calorias devem vir, tabelas nutricionais, além de recomendações que, pelo menos para mim, eram desconhecidas. Exemplo? Suco de frutas ou de vegetais e sopas são “refeições” desaconselhadas, pois não conseguem suprir o neném das calorias necessárias. Não que seja proibido dar suco, por exemplo, mas não pode substituir almoço ou jantar.

3-) E para quem amamenta exclusivamente no peito, também recomendo a leitura deste texto do pediatra espanhol Carlos Gonzalez, que a blogosfera mamífera já conhece- ama- idolatra (e com razão), portanto, dispensa apresentações. Trata-se de um trecho de um dos livros do Gonzalez, publicado no blog Família Nesguinha, da Gab, que descobri procurando orientações para introdução de sólidos na dieta do Enzo. Gostei muito tanto do trecho que ela selecionou para publicar quanto do blog.

Encontrei, ainda, algumas dicas de receitas que estão na fila para serem testadas aqui em casa nesse endereço aqui. Reforço que ainda não testei nenhuma delas, mas a primeirinha deve ser feita em breve, só que com carne de frango.

E, só para não passar em branco, recomendo, claro, que qualquer dieta seja baseada nas orientações do pediatra. Se o pediatra do seu filho dá orientações diferentes das receitas que se encontra aqui e ali, melhor checar com ele se é possível dar mesmo aqueles ingredientes ao bebê. O mesmo vale para as cartilhas. São orientações gerais, que podem não servir para alguns casos específicos. Eu mesma, por exemplo, ainda não pretendo dar carne para o Enzo, (longa lista de razões que explico depois, prometo) embora a cartilha me autorize e incentive a fazer isso.

4 Comentários

Arquivado em livro de receitas do minimenininho