Arquivo da tag: artes

a infância que não cabe na TV

(*)

(*)

A gente até sabe que a Academia Americana de Pediatria (AAP, na sigla em inglês) recomenda que bebês até 24 meses não assistam à TV e que crianças a partir dos dois anos vejam, no máximo, duas horas diárias de programação televisiva. A gente até sabe que os argumentos principais da AAP para essa restrição fazem sentido. Segundo pesquisas daquela academia, ficou evidente que a TV prejudica a sociabilização das crianças com suas famílias, atrapalha a aquisição da linguagem e está no pacote do estilo de vida causador, em crianças, de doenças como obesidade, hipertensão e diabetes tipo 2.

Se isso já não fosse motivo suficiente, tem mais: psicólogos têm apontado que o uso insistente das telas (**) diminui a concentração e a capacidade criativa das crianças. Tem textos interessantes para se começar a pensar sobre esse efeito aqui, aqui e aqui também. O tédio e o ócio, tão próprios da infância e tão importantes para o livre brincar e o desenvolvimento dos pequenos, são bastante prejudicados quando a criança fica boa parte de seu tempo diante de dispositivos eletrônicos. Para se entendiar a ponto de criar a partir disso, é preciso não ter distrações. Para ter tempo livre e “fazer nada” a ponto de achar algo realmente interessante pra fazer (e até para poder descobrir o que é interessante naquele momento), não se pode estar inerte diante de um aparelho que faz quase tudo sozinho.

Tudo o que vem pronto para a mão dos pequenos tira deles a possibilidade de experimentar, de criar. E é nessa experimentação, nessa criação, que eles são, que eles vivem.

Essa infância, a infância potencializadora, livre, plena, essa não cabe na caixa. Não cabe na TV (nem na escola, mas esse é outro assunto). Essa simplesmente não cabe nesse modelo de vida que a gente leva (outro assunto que rende). A infância da TV é a infância do entretenimento. E entretenimento não goza de muito boa reputação por aqui (“distração”, diz o dicionário. E quem disse que distração é coisa boa?).

Mas, o caso é que, no dia a dia, na realidade dos nossos afazeres e das nossas muitas limitações (inclusive de espaço, uma vez que muitos de nós moramos em apartamentos cada vez mais minúsculos), acabamos por fazer concessões a muitas coisas, inclusive à TV e às telas.

Aqui não foi diferente, especialmente quando comecei a lidar, ao mesmo tempo, com as tarefas do trabalho e com as tarefas de mãe. Como fazer uma entrevista de 40, 50 minutos com a cria chorando, querendo atenção e brincadeira? Liga a TV! Dá o celular para ele brincar! Bota um joguinho no tablet! Tudo errado, eu sei.

Resultado disso é que parte dessas coisas que eu só lia em teoria, estou vendo acontecer aqui em casa. Responsabilidade minha, meu pequeno, se eu deixar, passa o dia diante da TV. Justo ele que, há poucos meses, só assistia a programas com muita, muita insistência. Nós passávamos o dia inteiro com a tela desligada. O.Dia.Inteiro.Sem.Nadica.De.TV. Enzo nem se aproximava dela. E brincava, como brincava. Com tudo e qualquer coisa, das panelas, tampas, colheres e utensílios aos brinquedos, gizes de cera e papéis.

Nem parece o mesmo garoto que, agora, acorda e vai logo pedindo  “qué vê o Mêique” (no caso, o Mr. Maker, aquele programa inglês ótimo –só que ao contrário– de “artes” [hã hã] para crianças). Nem parece o mesmo que se planta diante da TV pra ver Sid ou DVD do Palavra Cantada ou qualquer coisa que esteja passando.

Enzo se desinteressou pelos utensílios domésticos, pelos não-brinquedos tão interessantes que sempre chamaram a atenção dele e desenvolveram sua criatividade; se desinteressou por vagar pela casa à cata do que fazer. Ele brinca muito, mas brinca melhor com a TV ligada, no melhor estilo “um olho no peixe, outro no gato”. As brincadeiras todas agora envolvem o Maker e o Sid. Ele continua criativo, mas a criatividade deles agora se baseia no que vê na TV. Cria a partir do Maker, a partir do Sid, a partir do Palavra Cantada. A TV virou sua referência.

Um dia, cheguei na sala e vi uma cena que me chocou profundamente: Enzo sentadinho, comportadinho, perninhas cruzadas, tão absorvido, mas tão absorvido, que não piscava! Não me viu ali –e olha que eu fiquei um tempão parada, chamando a atenção, falando. Ele nem olhou. Estava igual ao Calvin e ao Haroldo da tirinha aí de cima.

Que desperdício de talento, que desperdício de vitalidade, que desperdício de energia criadora, que desperdício de criatividade. Crianças não foram desenhadas para não criarem, para receberem a coisa criada pronta. É da natureza deles gerar coisas. É na geração, na fabulação, na invenção, na reprodução, na ressignificação, na construção/descontrução que eles se conhecem, olham pra si mesmos, constroem sua autoestima, desopilam, extravasam frustrações, se divertem, sentem prazer, curtem a vida, aprendem, crescem, se sociabilizam, questionam e se estimulam. É um ciclo virtuoso. Que a TV quebra. Vi isso acontecer aqui, é evidente. TV não é inofensiva.

E eu, que sempre fui favorável a oferecer pouca TV, mas que cheguei a julgar “exagerados” alguns pais que criaram os filhos sem o acesso nenhum ao aparelho, estou revendo muita coisa porque a prática que eu vi, vejo e estou vivendo aqui em casa me mostrou que a teoria faz todo o sentido.

Também estou num momento de revisão de valores, de questionar “verdades” que são tomadas como “universais” e “naturais” da condição humana (e nem estou falando dos “ismos” –machismo, racismo, sexismo–, mas de coisas bem mais profundas e ancestrais, talvez originárias dos preconceitos todos).

Tenho descoberto, gratidão especial à Ana Thomaz e ao Humberto Maturana, que muito do que a gente acha que é uma característica humana ou uma manifestação da condição humana, válida para todos os seres humanos no planeta, na verdade, é uma construção social. Ou consequência de padrões socialmente definidos pela nossa civilização. Daí concluí que, se é uma construção social e não faz sentido (como muitas dessas construções não fazem sentido pra mim), pode ser simplesmente desconstruída. Não no mundo lá fora. Mas aqui, na minha casa, na minha vida, no meu dia a dia.

E, nesse contexto, é ainda mais importante não atrapalhar o processo criativo do meu filho e a comunicação livre e fluida que ele tem com ele mesmo, característica de todas as crianças, justamente porque ainda não foram “educadas”, enquadradas, encaixadas, “socialmente construídas”.

Tamo junta, Mafalda! (***)

Tamo junta, Mafalda! (***)

[Tem um post interessante, recente, da Ana, que fala um pouco sobre isso. Não sobre TV, mas sobre a capacidade de conexão das crianças. Recomendo. Vá por aqui]

Então estou colocando em prática umas adaptações à nossa rotina para diminuir a exposição do Enzo à TV. Para começar, estou tentando observar e registrar o tempo em que a TV fica ligada, para ter ideia de em que pé estamos quanto ao consumo das telas. Sinceramente, não faço ideia de por quanto tempo o pequeno fica exposto.

O segundo passo é entender o percentual de atenção exclusiva que Enzo concede à TV. Porque, em geral, ele pede para ligar, assiste por dez, 15 minutos, e vai fazer outra coisa. O aparelho fica ligado, a pedido dele, que de vez em quando volta para dar uma olhadinha. Mas boa em parte desse período, ele está fazendo outra atividade.

Não que isso mude muita coisa. TV ligada é TV ligada. O caso é que eu quero entender bem a dinâmica dele com o aparelho para descobrir quais necessidades estão sendo transferidas para as telas.

Outro passo é me estruturar melhor para: 1) ter condições de sair com ele de casa para atividades ao ar livre (ou em outros ambientes) todos os dias e 2) poder oferecer alternativas verdadeiramente interessantes. Muitas delas dependerão mais de mim do que depende o consumo das telas.

Não quero proibir. Não acho proibição eficiente. E –o principal– é uma violência, um desrespeito, uso do poder e da força. Estou procurando não usar o poder com ele. De modo que a ideia não é que eu limite, mas que eu proporcione um ambiente tão bacana e adequado a ele que o filho mesmo prefira outras atividades mais instigantes.

Que TV que nada! Criança gosta mesmo é de criar

Que TV que nada! Criança gosta mesmo é de criar

Hoje, por exemplo, a TV ficou ligada na parte da manhã e num pedaço da tarde. Depois do almoço, ele me pediu para pintar com as tintas guache que ganhou ontem e deu muito certo. Esqueceu completamente da TV e passou a tarde todinha (e uma parte de noite: só topou tomar banho às 2oh!) pintando. Conectado, entregue, feliz, muito feliz. Nem sombra de irritação, aquela irritação de tédio que ele tem com frequência quando fica muito tempo vendo TV (ou fazendo alguma coisa vazia, que preenche tempo, mas não a necessidade dele).

Sei que é bem possível que ele reduza seu interesse pelas telas, porque sei que eu “viciei” Enzo em TV; porque já tivemos uma experiência semelhante com celular (em restaurantes, ele só parava quieto mexendo no aparelho. Hoje, basta levar giz e papel); porque criança não precisa nem gosta genuinamente de TV (ou das telas). O aparelho é apenas sedutor e fácil.

Para nós, acho que o caminho é esse. Sem pressa. Sem cobranças –nem de mim para mim, tampouco de mim para ele. Aproveitando o processo. 

(*) A tirinha do “Calvin e Haroldo” eu peguei daqui.

(**) Para este texto, “telas” (celular, tablet, notebook, desktop, games e congêneres) e “TV” são quase sinônimos. Tudo o que escrevi sobre a última, vale para as primeiras.

(***) A tirinha da “Mafalda” (Quino é um gênio!) veio daqui ó.

13 Comentários

Arquivado em Maternidade, reflexões

retrato do artista quando jovem

Minha casa virou uma galeria de artes. Eu, que sempre fiz muxoxos porque tínhamos poucos quadros, agora não tenho mais do que reclamar: praticamente não restou espaço em branco nas paredes. Um artista iniciante resolveu dar uma palhinha –de graça– e expor seus trabalhos na sala, na porta da cozinha, no corredor, no meu quarto.

Contemporânea, a arte dele questiona o formalismo –seu suporte é a parede diretamente, sem intermediários– e dialoga com os limites entre o privado e a rua, uma vez que usa elementos do grafite (literalmente) para dar vazão a um fluxo constante e nonsense de formas e pensamentos.

Ele é também um autêntico performer, que gosta de pintar e exibir suas técnicas e agilidade sob os olhos atentos e incrédulos dos expectadores e apreciadores da sua arte.

enzo pintando

(Atenção para o detalhe do pezinho do artista)

*******************

As perguntas que não querem calar: terei eu parido o próximo Jackson Pollock?

20121211_105533

pollock

Ou terei parido o próximo Kandisnky?

20121211_105509

kandinsky.comp-8

Ou ainda: estarei eu exagerando na babação de ovo,  empolgada com a novidade que é ver a cria fazendo suas primeiras garatujas e, ao mesmo tempo, assustadíssima com constatação de que vou ter que limpar essa bagunça toda (ou pintar a casa, mudar de casa, reformar tudo, fugir pras montanhas, sei lá)?

Façam suas apostas.

(*) Imagens das obras de Pollock e Kandinsky daqui e daqui, respectivamente.

3 Comentários

Arquivado em artes, bebezices

pequenas dicas

Essa é para crianças –e adultos– que gostam de música: o pessoal do “Pequeno Cidadão” liberou para download uma faixa inédita do novo trabalho do grupo (“Pequeno Cidadão 2”), que será lançado em dezembro. “Mamãe, tamo chegando?” pode ser baixada aqui.

Edgard Scandurra contou que fez a música com seus filhos, no carro, num dia de trânsito caótico em São Paulo. A narrativa é sobre um filho que precisa chegar à casa de um amigo e enfrenta dificuldades numa cidade que não anda. Resultado: passa a viagem fazendo a clássica pergunta: “tamo chegando?” e ainda sugere que, da próxima vez, melhor irem de transporte público. Bem bacana! Pena que Arnaldo Antunes não faça mais parte do grupo.

**********

Descobri há uns meses esse site aqui, o “Garatujas Fantásticas”, que é uma revista virtual com inspiração no universo infantil. Eles não fazem um jornalismo infantil tradicional, o que é bem bom, porque não infantilizam o leitor. Ao contrário, buscam inspiração em tudo o que é lúdico por aí e contam lá na revista. Uma das editoras, a Thais Caramico, foi responsável pela reformulação do “Estadinho”, suplemento infantil do “Estadão”, e é também redatora do Joca, um jornal só para crianças.

Super recomendo o Garatujas, tanto para ler com os filhos quanto desacompanhada. Eles cobrem muito bem as artes, incluindo a música e a literatura, e sempre tem posts interessantes.

Aliás, um bom exemplo do tipo de conteúdo do site é esse texto sobre o filme “La Educación Prohibida“, um documentário que questiona os modelos educacionais atuais por meio de 45 experiências educativas, realizadas em oito países diferentes.

**********

No sábado, dia 1/12, na livraria NoveSete, os músicos Sandra Oak e Ramiro Marques apresentam o show “You and Me”, com canções e instrumentos criados especialmente para o projeto. Eles desenvolveram repertório e acessórios musicais exclusivos para estimular o vínculo pais-mãe-filhos. O show começa às 16h, e a livraria fica na rua França Pinto, 97, Vila Mariana.

Deixe um comentário

Arquivado em artes, literatura infantojuvenil

dilema revisitado # 2: a escolinha

No domingo, contei aqui que estou enfrentando meio tardiamente uma versão do velho dilema “carreira x maternidade”, só que com uma roupagem nova, mais leve: trabalho em home office e, agora que Enzo é um minimenininho e não mais um bebê, tem ficado mais difícil conciliar as obrigações de mãe com as de jornalista, já que o pequeno (ainda bem) é super ativo, super inteligente e requer cada vez mais atenção por mais tempo. Daí que concluí que preciso de ajuda de algum tipo, seja uma babá ou seja uma escolinha.

Como Dri estava em férias até hoje, resolvemos visitar as escolinhas aqui perto de casa só para termos uma ideia do que há à nossa disposição. Até agora, fomos em uma só. Uma outra visitaremos na quinta e a terceira, na sexta.

Mas essa primeira experiência me deixou um tanto mais simpática às escolinhas que às babás. Gostei bastante do que vi e do que ouvi. Para começar, as salas têm poucas crianças e, já a partir de 1 ano e 2 meses, os bebês deixam o berçário e vão para o maternal. Qual a diferença? As atividades. No maternal, eles já são estimulados a ler, pesquisar, contar, já definem os temas com os quais querem “trabalhar” naquele semestre, plantam, colhem frutas, fazem aulas de culinária e música, teatro e pintura, escultura…Ou seja, deixam de ficar “estacionados” esperando os pais voltarem. Ao invés disso, têm uma vida estimulante de fato.

A escola se diz construtivista. Muitas dizem isso hoje em dia, mas botei alguma fé nessa, ao menos levando em conta o que a coordenadora nos mostrou/explicou. Como eu estava contando, são os próprios alunos que definem temas a serem abordados, que serão trabalhados transversalmente ao longo do semestre ou do ano, em várias, digamos, “disciplinas”. A duração do tema também depende do interesse do grupo.

Por exemplo: a sala do maternal, que abriga os pequenos com idade entre 1 ano e 2 meses e 2 anos, havia escolhido os peixes como tema para o primeiro semestre. Fizeram pesquisas em livros, procurando figuras do animal, assistiram ao “Procurando Nemo” para identificar os peixes, seus “amigos” e habitat, ouviram e fizeram contação de histórias tendo esses bichinhos como protagonistas, colaram, pintaram e “moldaram” peixinhos, fizeram gelatina azul (cor do fundo do mar) nas aulas de culinária, aprenderam a contar enquanto faziam as comidinhas e assim por diante.

Como aqui em casa é tudo fora da caixa, por favor, valorizo muito propostas pedagógicas um pouco mais progressistas, por assim dizer (embora eu ainda me espante que, tendo em vista as opções mais comuns, Piaget seja progressista…). Também gostei do ambiente: casa espaçosa, com quintal amplo, cheio de verde, onde está instalado o play da garotada. Tem tanque de areia ao ar livre e também espaço coberto com diversos brinquedos para os dias de chuva. Há árvores frutíferas (jaboticaba, jaca, mexerica), horta e, melhor de tudo: as crianças realmente consomem esses alimentos colhidos do pé por eles mesmos, sempre que as árvores “dão” alguma coisa.

Na biblioteca e nas salas de aulas, os livros estão à mão das crianças, que podem pegar quais quiserem, sempre que quiserem. Estão bem cuidados e separados por idade, para que sempre sejam adequados à faixa etária que ocupa a sala. Esqueci de perguntar se os pequenos são estimulados a levar livros de casa para compartilhar com os amigos. Mas já tomei nota e vou tirar essa dúvida. A sala de artes é grande e cheia de materiais que podem ser usados livremente, de acordo com a escolha de cada um. Só não tenho certeza ainda se há um horário definido para isso ou se eles podem ir à sala quando quiserem. Mais uma para checar.

Agora o que mais me deixou feliz mesmo com a escolinha foi o clima.Pode parecer bobagem, mas levo muito em conta como eu me sinto no lugar para avaliá-lo. E nós três (Dri, Enzo e eu) tivemos o mesmo comportamento relaxado na escola, como se estivéssemos em casa. Notamos carinho e cuidado das professoras e berçaristas com os bebês, vimos um monte de crianças aparentemente bem satisfeitas, sentimos uma certa harmonia no ar e, mais importante, percebemos que Enzo esteve muito à vontade o tempo inteiro.

Entrou em várias salas sozinho, mexeu nas coisas, caminhou tranquilamente pela escolinha, escolhendo seu percurso entre o que chamava mais sua atenção, arranjou uma amiguinha no berçário, elegeu um brinquedo por lá, fez amizade com a berçarista, esqueceu de nós dois e ficou por cerca de meia hora só brincando com as novas companheiras, até que tivemos de tirá-lo de lá (era hora de ir embora, afinal).

E aí foi um chororô sem tamanho, com muito ranger de dentes, gritinhos revoltados e lágrimas, um monte de lágrimas. Para mim, foi um ótimo sinal em relação à escola e- mais ainda- uma surpresa e um sinal de que Enzo talvez esteja precisando de atividades mais estimulantes do que ele tem tido aqui em casa (próximo post).

Não estou nada decidida

Parece discurso de uma mãe convencida a deixar seu bebê na escola, né? Mas não é, não. Pelo contrário. Há os contras e eles pesam muito:

1) Quando penso em deixar Enzo 4 ou 6 horas numa escolinha, por mais bacana que seja, não sinto alívio, sinto apreensão. Acho que ele não está pronto, porque penso que um bebê desse tamanho ainda precisa muito de mãe por perto, de coisas familiares, de segurança e proteção que só se encontra no lar.

2) Não gosto nada da ideia de Enzo ter um compromisso, uma obrigação tão pequeno. Se ele pudesse ir à escola quando quisesse, pelo tempo que quisesse seria ótimo. Mas não é assim que funciona.

3) Por mais liberal e bacaninha que seja a escola, há horários, regras, um certo enquadramento desnecessário, especialmente nessa fase. Os horários de almoço e lanche, por exemplo, são bem rígidos, pois é preciso dividir o refeitório de forma a não colocar os muito pequenos para almoçar com os grandões (o colégio tem alunos de até 10 anos). Pior: deve haver horário para aulas de artes, música, literatura, educação física (a confirmar, mas é quase certo). Não gosto disso. Na minha escola ideal, cada um faria atividades lúdicas e artísticas quando quisesse, poderia escolher livremente entre ir tocar um violãozinho ou botar a mão na argila. Não dá para esperar que a criatividade das crianças, ainda mais pequenininhas, aceite o cabresto dos horários mais convenientes para a equipe. Em casa, Enzo é livre como tem de ser e passa o dia inventando novos desafios, exercitando a curiosidade, a criatividade, o raciocínio. Bola brincadeirinhas, nos envolve, cansa delas, troca por outras, vai ali na cozinha pedir uma fruta ou leite, volta a brincar, pega um livro, devolve o livro, enfim, exercita suas múltiplas capacidades sem amarras. Limites podem ser importantes, mas quando têm um objetivo educacional, o que não é o caso dos limites impostos nos colégios (não sou nada fã de “disciplina” por disciplina).

4) Os pediatras que respeito indicam colocar os pequenos nas escolas depois de completarem 2 ou 3 anos. E não apenas por causa das viroses e doencinhas, mas por conta da necessidade de afeto e atenção exclusiva que demanda antes dessa faixa etária.

5) Acho que em casa, sob meu olhar e meu carinho, Enzo estará melhor, ainda que privado de um certo desenvolvimento e de uma sociabilização que a escola promoveria.

Digamos que essa visita à escola (e as próximas, sobre as quais conto depois) me deixaram mais tranquila em relação às possibilidades de desenvolvimento do  Enzo, em relação às opções pedagógicas que teremos, à maturidade e independência do meu minimenininho (que parece pronto para ser um tanto mais livre e para novas amizades), em relação a como ele vai lidar com o futuro colégio. Também me mostraram diversos pontos a refletir em relação à maternidade que estou exercendo. Há muito o que melhorar e vou voltar nesse assunto no próximo post.

Mas ainda não acho que seja hora do pequeno ir pra escola. Por outro lado, também não sei se quero uma babá. Por ora, vou tateando as opções (entrei em contato com agências para assuntar a contratação de uma babá) e agradecendo mega o socorro das mães. Agradeço também quem deu dicas preciosas no facebook (alô, Tamine, Silvia, Claudia!) e o comentário muito inspirador da Ingrid no post anterior.

4 Comentários

Arquivado em Maternidade, reflexões

porquinho criativo

Descobri o Vitório, o porquinho simpático protagonista do livro “O Sonho de Vitório”, buscando opções de artes para fazer com Enzo. Entrei quase por acaso no site de uma livraria e lá estava uma atividade de lançamento do livro. Não pudemos ir, mas achei a proposta tão bacana que fui atrás de mais informações na editora, baixei o “press kit” (textos e imagens que a editora disponibiliza aos jornalistas) e, no dia seguinte, corri para o livreiro mais próximo em busca do Vitório. Foi amor à primeira vista. Não resisti e trouxe o porquinho criativo comigo, para o Enzo.

Daí que hoje estou lá no Minha Mãe que Disse entrevistando ninguém menos que a ilustradora Veridiana Scarpelli, a criadora do Vitório. Vale a pena dar uma olhada. Vá por aqui.

A entrevista é a segunda da série de bate-papos com escritores infantojuvenis, que começou com o Pedro Bandeira.

Deixe um comentário

Arquivado em artes, literatura infantojuvenil