Arquivo da tag: sólidos

o livro de receitas do minimenininho

Clichê, mas fato:  maternidade muda a gente; muda nossas perspectivas e, por consequência, muda praticamente tudo. Quem me conhece sabe que não cozinho. Adoro comer bem, me interesso por gastronomia (pop), um dos meus sonhos de consumo é completar a coleção de livros do Jamie Oliver (shame on me) e, quando dá tempo, confesso que até assisto aqueles realities de chefs (Top Chef, Master Chef, Batalha dos Cupcakes, Great Food Truck Race, os do Gordon Ramsey…céus!).

Porém, cozinho quase nada. Em geral, quando temos de cozinhar, quem assume a liderança das panelas é o Dri, que faz um ótimo trabalho, diga-se. Claro que me viro bem no trivial; o problema não é falta de habilidade, mas de vontade mesmo. O basicão é chato demais de fazer. Já os pratos mais elaborados, cuja elaboração me atrai mais, bem, nesse caso, boto a culpa na conta do tempo. Confesso, sempre que tenho um tempinho livre, prefiro investi-lo lendo um livro-revista-jornal ou vendo um filme ou tuitando, ou blogando, ou lendo a blogosfera (mamífera e não-mamífera) ou passeando com a família ou bebendo (suco) com pessoas queridas.

Mas eis que ontem me surpreendo comprando um caderno de… receitas! Isso mesmo, daqueles que as avós tinham para anotar receitinhas tipo: “Pudim de leite Moça da Maricota”, “Rosca doce da tia Nena”, “Empadão de frango da Alzira” (as receitas da Vó Mimi sempre tinham algum nome próprio associado. Acho que ela só incorporava ao caderno receitinhas já testadas “pelazamiga”). Só que esse caderno, ao invés de receitas das amigas da minha avó, estará recheado de pratinhos e papinhas e suquinhos do Enzo.

A ideia não surgiu de uma pretensão gastronômica dessa mãe, mas da mais absoluta necessidade de me organizar para dar conta dessa nova fase da vida do bebê. Desorganizada que sou e pouco afeita às panelas, o único jeito de manter alguma lógica na alimentação do Enzo é escrever receitas, dicas, montar cardápios semanais, colocar no papel o peso que cada grupo de alimentos deve ter e, daí em diante, combinar os ingredientes.

Porque, convenhamos, as orientações pediátricas não são lá muito intuitivas. Se, na nossa infância -e nas gerações anteriores- as mães iam introduzindo os sólidos na dieta na base da tentativa e erro e do “bom senso” (sopinhas de legumes, arrozinho-e-feijãozinho batidos no liquidificador, caldinho de carne), hoje é quase preciso fazer um minicurso de nutrição para iniciar a alimentação dos pequenos.

Por exemplo: a recomendação da pediatra do Enzo, que é uma fofa e tenta sempre “traduzir” o “mediquês” para mim, é: desde sempre, oferecer uma dieta equilibrada. Nada de evitar esse ou aquele grupo de alimentos. Então, as papinhas seriam compostas sempre por um sem-número de combinações entre cereais, carnes (proteína animal), tubérculos, leguminosas (proteína vegetal) e folhas verdes. Só que as mudanças nas combinações desses ingredientes devem ser feitas um a um. Não dá para trocar couve por escarola e arroz por quinoa na mesma papinha. Como eu, a desorganizada que não gosta de cozinhar, vai dar conta disso tudo a contento se não for com um livrinho bem feito de receitas à tira-colo?

É assim que está surgindo, aos poucos, o livro de receitas do meu “minimenininho”. Porque, agora que vai comer sólidos, acho que posso promover o Enzo de bebê para minimenino, né? É um passo importante na evolução dos pimpolhos começar a se alimentar de outras fontes que não a mãe. Já li diversas vezes, dita por pessoas diferentes, uma expressão que afirma mais ou menos que o corpo dos bebês não os proveem de tudo o que eles precisam, restando ao corpo da mãe a tarefa de complementar o filho em necessidades tão básicas quanto comer, dormir, se mover, controlar as emoções etc. Acho genial essa definição de quanto bebês e mamães são um só. Assim como acho que o início desse “desligamento” e dessa “individuação” é uma etapa importantíssima para nós e para eles. Começar a comer -ao invés de basicamente se alimentar do que a mãe produz ou mesmo de LA- é um passo nessa direção, dentre tantos que Enzo já está dando (nessa fase, eles começam a perceber também que não SÃO a mãe. Enzitolino tem ficado carente, carente…).

Estou pesquisando e inventando receitas de papinhas que vou compartilhar aqui no blog, depois de devidamente testadas e aprovadas (critérios para entrarem definitivamente no livro de receitas). Tive muita dificuldade para achar receitas factíveis, especialmente para as primeiras refeições salgadas. O que se encontra por aí são papinhas tão elaboradas e carregadas de ingredientes “pesados” (fígado, por exemplo) que o bom senso pisca aquele sinal de alerta que talvez seja melhor não começar a alimentar um bebê com esse tipo de alimento.

Acho que a primeira dica que posso dar, antes mesmo de uma receita, são de algumas leituras interessantes, para não dizer obrigatórias, que estão servindo para mim como um manual, uma espécie de carta de navegação.

1-) Aqui tem a cartilha 10 Passos para a Alimentação Saudável para Menores de Dois Anos. É de 2010, foi elaborada pelo Ministério da Saúde e pela IBFAN Brasil, uma rede internacional pelo direito de amamentar. Também leva o selo da Organização Pan-Americana da Saúde e segue diretrizes da OMS.

Graficamente bem organizada, é fácil de consultar e tem informações bem básicas, mas muito úteis na hora do perrengue que é definir cardápio, decidir quando e como dar carnes, que legumes usar, se repete ou não legumes e papinhas, se insiste ou não se o bebê não quiser, qual importância da alimentação e do leite na dieta dos pequenos e aquela longa lista de etc que as mammas sabemos.

Também fala de coisas um tantinho mais complexas, como experimentar ou não doces e industrializados, mesmo os mais “saudáveis”, como iogurtes. Segundo a cartilha, não se deve deixar crianças nessa faixa etária experimentarem esse tipo de produtos. Parece óbvio, mas eu mesma já fui instada por um bocado de gente a deixar Enzo experimentar um “pedacinho” disso e daquilo para ele não “passar vontade” (como se ele soubesse o gosto que essas coisas têm). E mais: açúcar e doces só depois de um ano, NO MÍNIMO.

E recomenda que, a partir dos seis meses, a mãe sempre ofereça ao bebê água tratada, filtrada e fervida.

2-) Para quem quiser aprofundar mais e entender de onde vem a cartilha e ainda ter acesso a algumas informações mais, digamos, científicas (com bibliografia e tudo o mais), vale a pena dar uma olhadinha nesse link aqui, que é do Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos. O que eu tenho foi editado em 2002, também pelo Ministério da Saúde e pela Organização Pan-Americana da Saúde. É basicamente o mesmo material, só que voltado a profissionais de saúde, portanto mais “técnico”, menos superficial.

Por isso, tem algumas informações bastante importantes que o Manual não tem: quantidade ideal de calorias/dia para os bebês e crianças, de quais fontes essas calorias devem vir, tabelas nutricionais, além de recomendações que, pelo menos para mim, eram desconhecidas. Exemplo? Suco de frutas ou de vegetais e sopas são “refeições” desaconselhadas, pois não conseguem suprir o neném das calorias necessárias. Não que seja proibido dar suco, por exemplo, mas não pode substituir almoço ou jantar.

3-) E para quem amamenta exclusivamente no peito, também recomendo a leitura deste texto do pediatra espanhol Carlos Gonzalez, que a blogosfera mamífera já conhece- ama- idolatra (e com razão), portanto, dispensa apresentações. Trata-se de um trecho de um dos livros do Gonzalez, publicado no blog Família Nesguinha, da Gab, que descobri procurando orientações para introdução de sólidos na dieta do Enzo. Gostei muito tanto do trecho que ela selecionou para publicar quanto do blog.

Encontrei, ainda, algumas dicas de receitas que estão na fila para serem testadas aqui em casa nesse endereço aqui. Reforço que ainda não testei nenhuma delas, mas a primeirinha deve ser feita em breve, só que com carne de frango.

E, só para não passar em branco, recomendo, claro, que qualquer dieta seja baseada nas orientações do pediatra. Se o pediatra do seu filho dá orientações diferentes das receitas que se encontra aqui e ali, melhor checar com ele se é possível dar mesmo aqueles ingredientes ao bebê. O mesmo vale para as cartilhas. São orientações gerais, que podem não servir para alguns casos específicos. Eu mesma, por exemplo, ainda não pretendo dar carne para o Enzo, (longa lista de razões que explico depois, prometo) embora a cartilha me autorize e incentive a fazer isso.

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em livro de receitas do minimenininho