Arquivo da tag: trabalho

mais licença, menos creches

“É preciso uma aldeia para criar uma criança”

provérbio africano

Então a questão carreira x maternidade tem aparecido com força nas minhas relações novamente, seja nas mesas de bar, seja nos meus estudos/inquietações filosóficas, seja nas minhas avaliações sobre convicções pessoais, nos blogs que leio e nas redes sociais. Já abordei o tema várias vezes (aqui, por exemplo; mas também aqui e aqui) e entre ontem e hoje participei de um bate-papo virtual sobre o tema (e outras coisinhas) com algumas queridas no facebook.

Daí encontro esse vídeo, do pediatra José Martins Filho, sobre a importância do vínculo, dos cuidados e do afeto no início da vida da criança, principalmente no período que compreende a gestação e vai até os dois ou três anos.

E, entre muitos pontos essenciais, ele toca no assunto da licença maternidade de fato, não essa aí que temos hoje, que, cá entre nós, não serve para muita coisa. É precisamente a licença maternidade –e outros arranjos trabalhistas que possibilitem à mãe cuidar dos filhos e trabalhar ao mesmo tempo— o que precisa ser colocado em questão quando se fala em carreira (*) x maternidade.

Já contei que, para mim, não existe esse negócio de carreira versus maternidade. O versus entrou na equação apenas porque nossa sociedade (da qual fazemos parte, vale lembrar) não está nem aí para mulheres e crianças (assim como para muitos outros grupos), sejamos sinceros. As necessidades consideradas exclusivamente femininas e as necessidades consideradas exclusivamente infantis são ignoradas solenemente.

[Parêntese: estou falando em maternidade, necessidades femininas, mas não quero excluir a paternidade e os homens da equação. Uso esses termos por duas razões, basicamente: 1) as mulheres ainda são as que assumem a maior parte da responsabilidade na criação dos filhos; ainda é dela que se cobra deixar a carreira para ficar com os filhos ou vice-versa; ainda é a mulher que se coloca em questão em relação à carreira quando vira mãe. 2) algumas funções biológicas só mesmo a mãe pode cumprir (ou cumprir bem), como parir e amamentar. Mas acho os pais fundamentais, acho que há espaço para eles atuarem muito mais e volto a isso daqui a pouco.]

Então, na prática, expomos mulheres à situação dolorosa (torturante, eu diria) e absurda (sob todos os pontos de vista, mas especialmente sob o biológico, orgânico, natural) de ter de escolher entre se sustentar ou ficar com os filhos; de ter de deixar seus filhos muito pequenos com estranhos enquanto se remoem nas firmas para pagar as contas no fim do mês; de ter de se humilhar (como se tivesse pedindo favor) e aceitar pressões psicológicas e até financeiras (ganhar menos do que um colega homem, por exemplo) porque precisa ajustar alguns horários a necessidades do filho (amamentação, saídas para pediatras etc); de ter de abandonar qualquer possibilidade de trabalho remunerado e depender inteiramente de outra pessoa.

É um absurdo obrigar uma mãe a voltar ao trabalho com quatro meses de parida. Assim como é um absurdo obrigá-la a não voltar ao trabalho.

Isso sem falar do ponto de vista da criança, que o vídeo do José Martins aborda bem.

O que mais me incomoda nisso tudo é o pressuposto. Quando discutimos a questão social e publicamente, circulamos (como disco riscado) apenas em dois pontos: creche e maternidade. Partimos, portanto, da ideia de que o ideal é oferecer mais vagas em creches, afastar as crianças de casa, deixá-las mesmo com estranhos e “liberar” a mãe para o trabalho. Uma intervenção cada vez mais precoce do mundo considerado masculino (competição, conquista, poder, obejetivo, busca), socialmente valorizado, no mundo considerado feminino (da conexão, do cuidado, das relações, do encontro), socialmente desvalorizado.  Fica claro porque isso acontece, certo? Se valorizamos mais o trabalho que as relações, o “melhor” é ter creches para as mães deixarem as crianças e cuidarem do que “importa”.

Segundo ponto que me incomoda é que a discussão raramente inclua os homens, os pais. Se fala em creches para as mães, em licença de seis meses para as mães e em mães que largam o trabalho na firma e empreendem, em apoio à mãe empreendedora etc.

Como eu comentei na conversa lá no facebook, para mim o foco está invertido nos dois casos: o dinheiro que o governo e (algumas poucas) empresas gastam com creches seria muito melhor empregado em licenças maternidade e paternidade decentes, um ano no mínimo, dois no ideal (a OMS recomenda amamentação por pelo menos dois anos, lembra?).

Os pais (homens) poderiam ter licenças de fato e assumir parte das tarefas e da troca de afeto com os filhos no dia a dia, liberando a mãe para o trabalho nesse período. E as crianças –com pais e mães ou pais ou mães por perto– cresceriam num ambiente bem mais adequado que numa escolinha abarrotada de crianças sendo “cuidadas” por três ou quatro cuidadoras.

Para mim, os pontos centrais do debate sobre carreira versus maternidade são justamente as licenças para quem trabalha em regime de oito horas diárias e o estímulo ao aumento de participação masculina na vida familiar, coisas que o José Martins cita no vídeo, e que não é comum de serem mencionadas, daí eu ter vindo aqui compartilhar.

Isso não resolve o “problema”, que é precisamente uma sociedade que desvaloriza o que há de mais importante, que é a vida, manifestada na criança e na mãe que a pariu. Uma sociedade que desrespeita crianças está fazendo alguma coisa muito errada. Sair fora da caixa é o caminho, o meu caminho. Cada vez mais eu vejo e entendo que posso criar a vida que quiser e que tanto faz como as empresas lidam com a maternidade, porque eu sei como eu vou lidar com a minha e cada pessoa pode lidar com a sua da forma que achar melhor. Mas como nem todo mundo pode –materialmente–ou quer fazer isso por conta própria, acho que a licença materpaterna decente já seria um bom começo, um passo na humanização e no reconhecimento real dos direitos das mães e das crianças.

(*) carreira aqui é mais sinônimo de trabalho remunerado e razoavelmente estável do que de construção de uma jornada profissional “ascendente” e “bem sucedida” no mundo corporativo

3 Comentários

Arquivado em Maternidade, paternidade, profissão, reflexões

com a cria nos braços

Na semana passada, assisti a alguns vídeos e entrevistas que a Anna Gallafrio, Life Coach especializada em mães, concedeu ao Mamatraca. O conteúdo é muito bom, reflexivo, recomendo. Mas o que me chamou mais atenção, no entanto (talvez pelas convicções que eu vim alimentando por aqui desde que me tornei mãe), foi ver que a Anna estava trabalhando com a filha mais nova, Corinna, 100% à tiracolo (às vezes mamando).

Essas imagens, especialmente a tranquilidade da pequena no sling enquanto a mãe cumpria sua jornada profissional, me emocionaram muito. Estavam ali, materializadas para quem quisesse ver, muitas das ideias que tive, tenho e que compartilhei/o com várias mães blogueiras (como as queridas Mariana Sá e Nine) sobre o falso dilema carreira x maternidade. Não precisamos escolher. Não há escolhas. O que há, ainda, é um mundo profissional (e social e cultural etc etc etc) profundamente separado (das) e hostil às nossas necessidades naturais e humanas mais profundas, como a de acolher nossos filhos e de sermos acolhidos quando bebês.

Essa dicotomia só “existe” porque o mundo do trabalho nos desumaniza quando não nos oferece a possibilidade de exercermos uma tarefa que nos garanta o sustento (e também alguma parcela de satisfação) enquanto cuidamos dos nossos filhos. Nos desumaniza também porque sua lógica desvaloriza nossas emoções, sentimentos e afetos. E sobrevaloriza todo o resto, incluindo a racionalidade (que supostamente nos garantiria igualdade e justiça, veja só) e um punhado de distrações.

Na hora em que vi o vídeo da Anna, me lembrei da Licia Ronzulli, a deputada italiana que, em 2010, foi ao trabalho no Parlamento Europeu com a filha no sling. A foto dela amamentando e, ao mesmo tempo, votando no Parlamento correu as redes socias. Ao contrário de ter sido uma exceção à regra, Ronzulli continou levando a filha ao trabalho, pelo menos até 2012.

em 2010 (*)

em 2010 (*)

e no ano passado (**)

e no ano passado (**)

Não vou discutir a questão de o ambiente não ser adequado para uma criança pequena crescer, até porque não sei com qual periodicidade a menina vai ao Parlamento com a mãe nem quais atividades lúdicas ela faz lá ou em outros ambientes. Suspeito até que, ainda que ela estivesse lá, com a mãe, 4 horas por dia, 5 dias por semana, seria mais saudável que estar com estranhos nas escolinhas que eu conheço por aqui. Mas essa é outra conversa.

Lembrei também, ao ver a silenciosa, sutil e profunda “revolução” da Anna Gallafrio, desta ideia genial aqui: um espaço de co-work em que os filhos não são apenas aceitos, mas muito, muito bem vindos em um ambiente projetado para os pais, mas também para as crianças que estarão por perto. Aqui tem um caminho do meio, não? Aqui tem um caminho natural, não? Para manter a metáfora que a Nine usa com frequência, desconheço leoa que deixe os filhos com a vizinha pra caçar. Sou mamífera. Quero caçar com a cria nos braços!

ambiente recebe bem mães, pais e filhos para ... trabalhar (***)

ambiente recebe bem mães, pais e filhos para … trabalhar (***)

 

Ah, já quase ia esquecendo: está aí abaixo o vídeo que mais me tocou, de todos os que vi da Anna com a Corinna (e não por acaso, como toda a série com ela no Mamatraca, fala de carreira e maternidade):

Imagens de: (*) G1, (**) Mirror e (***) Garatujas Fantásticas

7 Comentários

Arquivado em Maternidade, paternidade, profissão, reflexões

sem ajuda

Já faz mais de um mês que estamos sem ajuda nenhuma aqui em casa. Até dezembro, vinham minha mãe e minha sogra para dar uma força com o pequeno, de modo que eu pudesse continuar a trabalhar. Ambas quiseram parar no final do ano passado, e Dri e eu começamos a buscar outras alternativas para o Enzo, como escolinha e babá (relatos aqui, ali e acolá).

Chegamos a matriculá-lo numa escola. Ele frequentou três dias, e eu desisti. Estou devendo um post sobre isso, mas ainda não tive tempo para escrever com o cuidado e as informações que merece. A sogra acompanhou de perto a tentativa de escolarização e me apoiou quando eu disse que não manteria o pequeno por lá. Ofereceu ficar mais um tempo, o que foi ótimo, e eis que o tempo acabou no comecinho de junho.

Dessa vez, mais coerente com o que eu sinto, com o que penso, com o que desejo para o Enzo e com o que sei que meu filho quer e precisa, sequer perdi tempo procurando alternativas. A alternativa soy yo! Decidi ficar com ele sem ajuda nenhuma e ponto. Parei de trabalhar? Não! Estou sambando miudinho? Estou! Estou cansada com a rotina dupla? Não! Coração está livre, leve, feliz e aliviado? Sim! Está sendo divertido? Muito! Em muitos sentidos. Planejei um post teórico-filosófico para dividir os nossos motivos para bancar esse arranjo, porém, vou deixar a parte chata pra depois. Começo só contando um pouco sobre como está nossa nova rotina.

  • As horas avançam em velocidade diferente por aqui. Estou quase achando que operamos um fuso-horário próprio, que não condiz com o do restante do mundo. Porque Enzo tem almoçado às 15h! Porque tem dias (e são vários) em que acorda às 11h! Isso mesmo levando em conta que eu havia decidido –e tenho me esforçado um bocado nesse sentido– ajeitar nossa rotina inclusive em relação –advinha?– aos horários. Não sei explicar ainda o que acontece, mas eu pisco e já é meio-dia; pisco de novo e são três da tarde; se piscar outra vez marido já está em casa e o pequeno nem tomou banho. Vou parar de piscar. Será que ajuda?
  • Todos os dias saímos pela manhã. Frequentemente perco a hora de voltar para dar almoço. Enzo não dorme mais à tarde.
  • Ainda não sei bem como resolver a alimentação do Enzo.  Minha mãe estava cozinhando para a gente uma vez por semana para congelarmos os pratos. Acontece que o horário dela no trabalho mudou e, para facilitar, ela voltou a estudar à noite. Não tem mais conseguido ajudar com isso. Por enquanto, estamos fazendo as coisas triviais e que praticamente se cozinham sozinhas, tipo arroz e carne moída, pois ainda há comida congelada. Tem funcionado bem também comprar peitos de frango, temperar e congelar. Na hora do sufoco, é só descongelar e grelhar. Outra: cozinho brócolis, couve-flor, espinafre e congelo. Depois, ao longo da semana, é rápido e fácil simplesmente dourar na manteiga ou no azeite. Mas a comida ainda é uma incógnita. Ainda não tive de cozinhar propriamente, não sei como vou encaixar isso nas tarefas diárias.
  • Não foram nem uma nem duas vezes em que eu terminei o dia tendo derrubado diversas coisas no chão, de sopa pela cozinha toda até leite na sala e restos de comida no quarto. Sou bem mais desastrada do que imaginei. Vocação zero para manter tudo arrumado, organizado, no lugar.
  • Descobri que é ótimo só limpar a casa quando realmente der vontade. Tenho feito assim aqui. E tudo está mais limpo do que antes, porque dá mais vontade do que eu achei que daria e porque o filho adora “me ajudar” na limpeza. Ele tem um rodinho e uma vassourinha de brinquedo e se diverte muito “varrendo” comigo. Já organizamos até o quarto dele e o meu guarda-roupas juntos, coisa que eu jurava ser impossível de fazer com ele acordado. Claro que isso vale pra mim, que nunca liguei muito pra limpeza de casa. Tem gente que precisa que tudo esteja limpíssimo e organizadíssimo. Aí esse meu exemplo não vale. Mas, no meu caso, simplesmente priorizo estar com Enzo, como já contei aqui. Sobre esse tema em especial, recomendo também esse post aqui, da Anne Rammi.
  • Arrumar a cama, coisa rápida normalmente, tem levado mais de meia hora. Porque Enzo adora “umar” comigo, é fã de “niguizar” as coisas, de modo que não rola simplesmente esticar os lençois com ele olhando. O moço quer participar. É preciso brincar com o filho antes, durante e, não raras vezes, depois. E daí começar tudo de novo. Ou desistir e deixar desarrumado mesmo, minha opção predileta.
  • Às 18h estou tão exausta, mas tão exausta, que já cochilei diversas vezes no sofá nesse horário, enquanto Enzo brincava na sala.
  • Tenho usado muito o celular para responder e-mails, ler textos, pesquisar na internet, ler notícias. É mais prático que ligar o note e não chama tanto a atenção do pequeno. Dá pra adiantar um pouco o trabalho dessa forma. Também tenho lido livros pelo aparelhinho. Sim, senhores, estou lendo muito no celular. Baixei quatro leitores diferentes, comprei alguns e-books que me interessavam e estou testando. Facilita muito a vida, é verdade. De outro modo, não teria lido três livros em um mês. Mas as obras de que estou gostando vou comprar impressas. Ainda sou do tipo que só consegue chamar de livro o objeto de papel em si. Adoro o cheiro, adoro pegar, adoro o formato, adoro ver as capas, a diagramação, a arte. De todo o modo,o celular funciona horrores para aquelas horas em que você está perto do filho, mas ele não demanda de fato sua participação (e também não te deixa trabalhar).
  • Eu só estou conseguindo mesmo trabalhar à noite, o que significa que meu expediente começa depois das 20h30, 21h, quando marido já chegou, se instalou e pode assumir de vez o pequeno. Mesmo assim, arrisquei fazer algumas entrevistas ao londo do dia, porque não tem como falar com fonte de madrugada. Deu tudo certo, mas foi difícil, bem difícil. O que ajudou: colocar o microfone do telefone no “mute”. Assim, eu ouço o entrevistado, mas ele é poupado de saber que meu filho pequeno está chorando loucamente, pedindo que eu desligue (“dá tchau pa ele, mamãe!”). E eu também me poupo do constrangimento (dá vergonha, embora não devesse dar. Mas isso é assunto pra outra conversa).
  • Não tive problemas com prazo, pelo contrário, estou entregando antes da hora. Mas isso se deve ao fato de eu ter apurado as duas matérias que estou tocando antes da sogra parar de vir. Ou seja, com poucas exceções, o que sobrou para fazer nesses textos foram algumas entrevistas e escrever propriamente. Mesmo assim, demorei bem mais do demoraria para bater os textos.

Estou tateando aqui e ali ainda, é verdade. E está sendo bem complicado cumprir a agenda. Mas esse arranjo é bem mais coerente com a mulher que eu sou, com a mãe que eu sou, com os valores nos quais eu acredito que simplesmente botar Enzo na escolinha. Eu ouço o Carlos González, eu ouço a Ana Thomaz, eu leio a Montessori e eu não consigo achar uma única razão para escolarizar meu filho pequeno que não seja a minha conveniência.

Eles todos –e toda a minha convicção– gritam que não, não é bom escolarizar bebês. “A escola infantil não é necessária para as crianças”, diz o Gonzalez, neste vídeo. E não é mesmo. Ensinar coisas a gente também pode ensinar em casa (dá uma olhada nas ideias ótimas da Dayane, do Mama Mia!). Enzo conta até 20, sabe todas as cores, formas geométricas como quadrado, triângulo e até hexágono. Reconhece todas as letras do alfabeto. Nunca foi pra escolinha.

Mas isso nem é o mais importante. Não pressiono pra ele saber mais e mais coisas. Ele sabe o que sabe porque se interessa genuinamente e a gente só vai dando a ele o que pede. Ao contrário, é justamente também pra fugir dessa loucura por saber cada vez mais cedo, por aprender cada vez mais cedo que quero o pequeno em casa. Não temos pressa. Quero que as coisas aconteçam a seu tempo, não preciso de um filho gênio nem de um filho “carreirista”, desses treinados pra passar em vestibular e em processos de seleção de trainee de multinacional desde sempre (na busca por escolinhas, no ano passado, encontrei uma que tinha apostilas do Anglo pra bebês de 1 ano e meio! Cataploft! Caí pra trás! Não podia imaginar que a sandice chegasse a isso, juro!).

Crianças de até três anos não precisam “socializar”, pelo contrário. Precisam de cuidado e atenção exclusivos. Estão na fase do “tudo é meu”, do começo da noção do “eu” como algo separado do “outro”. Não gostam da companhia de outros bebês. porque isso nem lhes serve de alguma coisa ainda.

Há quem diga o contrário? Há. E eu já li esses caras também. Mas não me convenceram.

Daí que essa mãe que eu sou hoje acredita em bebê em casa, nessas coisas que diz o González. E essa mãe, que acredita nessas coisas, não pode simplesmente pegar o filho pela mãe e estacionar numa escolinha, compreende? Daí que, apesar e por causa dessas coisas todas que eu contei aí em cima, estou muito feliz, muito mais do que estava há pouco, quando a rotina era mais leve, mas pairava sobre a cabeça a nuvem da dúvida, da pergunta “o que vou fazer quando a sogra não vier mais”? O que vou fazer? Nada. E tudo. Tudo o que importa.

3 Comentários

Arquivado em Maternidade, reflexões

o post da Nine sobre mamíferas e o sustento da família

Sabe quando você tem um post muito importante, que você escreve mentalmente diversas vezes, mas que, por ser tão importante para você e condensar tantas ideias, nunca sai do papel?

Pois eu tenho um assim, que mistura no mesmo saco coisas complexas como maternidade, feminismo, instinto, trabalho, atribuições profissionais, feminino, capitalismo, patriarcado, papel do pai. Já fiz e refiz o texto tantas vezes e com um resultado tão aquém do que eu penso que acabei deixando parado, para marinar as ideias, sabe como?

Mas eis que a Nine publicou hoje está pérola aqui. Pronto, não preciso mais escrever o meu post. Como eu comentei lá, ela redigiu melhor e mais claramente tudo o que eu sempre quis dizer sobre esse assunto. Os pontos altíssimos do texto dela, para mim e segundo minha leitura do que ela escreveu:

-Cumprir nossas funções biológicas a contento (parir, amamentar, acalentar e acolher os filhotes muito pequenos) não pode nos impedir de ganhar nosso sustento. Isso não acontece com nenhum mamífero na natureza, só nessa nossa sociedade disfuncional.

-Papel biológico não tem nada a ver com os papéis de gênero que vivemos. Gênero é uma construção social. Não é porque você ovula e pari que precisa passar a roupa, lavar a louça e fazer o jantar todos os dias.

-Também não precisa ganhar menos que um homem em cargo igual, tampouco é responsabilidade sua apenas sair mais cedo pra levar filho no médico, fazer lição junto ou trabalhar em meio-período pra ficar mais tempo com as crias. Os homens têm responsabilidades domésticas e com suas famílias que não se limitam (quando muito) a pagar contas. Ser pai é muitíssimo mais complexo que isso. E exige um grau de comprometimento com o que é tido como “feminino”, exige doação e entrega.

-Igualdade não significa que tenhamos de ser iguais para ter os mesmos direitos. Falta à revolução feminista o mais importante: devolver a valorização perdida por milênios de patriarcado àquilo que é tido como feminino. É preciso que ser mãe e ser pai (cuidar, acolher, doar-se, valores considerados femininos) seja tão valorizado quanto ser doutora em física quântica ou presidente de multinacional, saca? Que um homem que abdica de um certo crescimento profissional para ficar com os filhos seja admirado, seja socialmente valorizado. Que fazer isso não seja menor, nem seja “trabalho de mulher”. É preciso que os meninos possam ser estimulados a desenvolver o feminino neles, e que nós, mulheres, não precisemos necessariamente almejar o sucesso-padrão (a conquista, a competição, a realização cartesiana, valores tidos como masculinos) para sermos respeitadas e admiradas. Mas que possamos fazer exatamente isso se quisermos.

Fato é que o post dela está muitíssimo melhor que esse meu resumo tosco. Corre, que vale muito a pena.

1 comentário

Arquivado em Maternidade, profissão, reflexões

madrugada é dia útil

“Enquanto o caos segue em frente / com toda a calma do mundo”

Sereníssima” – Legião Urbana 

Trabalhar em casa tem várias vantagens. A mais óbvia delas, naturalmente, é estar perto do filho. Mas tem outras, como não perder tempo com deslocamentos, conseguir almoçar direito e sem gastar horrores por aí, comer maçã ao invés de porcaria no lanche da tarde, ligar o som e cantar loucamente enquanto se faz algum trabalho mais “braçal” (tipo baixar, salvar e organizar nas pastas zentas planilhas do Caged para se obter a variação do estoque de empregos formais no interior).

Só que tem sempre um porém, né? E, nesse caso, o porém é o seguinte: quando se é uma pessoa desorganizada como eu, home office pode ser muito, muito, muito caótico. Em todos os sentidos, mas principalmente em relação ao horário. Por mais que na redação ninguém tenha hora pra chegar nem hora pra sair, por mais que frequentemente os repórteres estendam seu expediente até bem tarde da noite (até pra esperar os colegas redatores/fechadores ficarem livres e ir com eles tomar umas no bar pé-sujo ali da esquina), o horário de trabalho acaba.

Em casa, não.

Na semana passada, por exemplo, trabalhei até perto das 4h todas as madrugadas e, de quinta para sexta, virei sem dormir. O saldo, entre outras coisas, foi pressão 7 x 5, dor de cabeça e muuuuita dor de garganta.

Ter muita coisa para fazer -meu caso- ajuda a explicar o horário nada ortodoxo. Estava apurando uma capa bem bacana, mas bem complexa também, com muitas variáveis a serem esmiuçadas, muitas informações de segunda mão para serem checadas, muitas fontes para ouvir (sei lá, acho que falei com mais de 50 pessoas, fácil, fácil) e, consequentemente, muito trabalho, terminada a apuração, para organizar, escrever e editar isso tudo.

Plus: também estava apurando, ao mesmo tempo, outras duas matérias, que entrego agora no começo da semana (a capa era para sexta), e, para uma delas, tive de ir a uma coletiva na quinta. Marcada para às 10h30, a entrevista com a fonte acabou acontecendo só às 13h. Cheguei em casa às 15h, o que atrapalhou bastante o andamento das outras pendências.

Acontece que, reconheço, se eu fosse um tantinho mais organizada, as coisas renderiam mais. E não falo de organização no trabalho, pois para isso sou organizada até demais. Tenho uns métodos de apuração que são quase manias. Quando não consigo, por alguma razão, por exemplo, atualizar a lista que faço com todos os contatos de todas as fontes e o status de como estão as conversações, fico tão incomodada que parece que não trabalhei naquele dia.

A desorganização a que me refiro -e que suga bastante o tempo- é das outras coisas: é a desorganização de não guardar nada no lugar certo e aí não conseguir achar aquela blusinha pra jogar em cima da camiseta quando está frio; é a desorganização de não tirar pratinhos e canequinhas e potinhos de dentro da geladeira e aí “perder” a comida; é a desorganização de nunca saber ao certo onde está mesmo a ração da gata; é a desorganização de comer-falar-com-fonte-atualizar-apuração-tomar-remédio-ler-release-tudo-ao-mesmo-tempo-agora; é a desorganização de nunca lembrar de deixar separadas as frutas que Enzo vai comer naquele dia e ter de interromper o trabalho para separá-las quando as mães pedem; é a desorganização de decidir ler só mais um pouquinho antes de dormir e aí notar que, putz, o “mais um pouquinho” durou quase uma hora e meia que eu não tinha; é a desorganização de não respeitar rotinas e horários (como hora para almoçar, para tomar um café, para descansar, para dormir)…

E, por último, mas não menos importante, é A desorganização de se acostumar a avançar noite e madrugada trabalhando e CONTAR com isso como se fosse, de fato, dia útil, hora útil de trabalho. Aí, a pessoa (no caso, eu) planeja seu dia incluindo como regra o que deveria ser exceção. E, a cada vez que eu faço isso, fica mais difícil quebrar o círculo e reduzir um pouco a jornada.

Comecei essa semana acordando bem cedo. Estou saindo da cama às 6h30, junto com o Dri. Espero que esse novo horário me “derrube” à noite e me ajude a conseguir limitar um pouco as coisas aqui no escritório. Sei que preciso disso. Mas, por enquanto, sem querer ser pessimista, são 22h30 e estou #semsono, avançando no trabalho, #semhorapraparar.

Deixe um comentário

Arquivado em lado B, Maternidade, profissão

dilema revisitado # 3: as reflexões sobre maternagem

Contei aqui e aqui que estou com muito trabalho, precisando arranjar ainda mais trabalho e com pouco tempo para dar conta das responsabilidades de jornalista e das tarefas de mãe. Daí que,  mesmo querendo que Enzo fique só comigo até ter pelo menos dois anos, acabamos cogitando, Dri e eu, colocá-lo numa escolinha. Estivemos em algumas, conversamos muito a respeito, ouvimos as nossas mães, assuntamos por aí com quem já tem babás (o que pode ser uma opção para o pequeno ficar comigo e, ao mesmo tempo, eu ter mais tempo), e a pesquisa toda, embora não tenha rendido uma decisão, deu frutos: muita reflexão e algumas auto-repreensões, que eu compartilho.

A primeira delas: Enzo cresceu, tem outras necessidades, não tolera mais ficar só dentro de casa e, por mais que eu tente oferecer a ele um ambiente estimulante, nada substitui o aprendizado que ele tem quando sai de casa, quando vai para a rua, anda por aí, se encontra com outras crianças, conhece novos ambientes.

Exemplo: o pequeno está no auge daquela fase em que eles querem subir e descer qualquer coisa. Moramos em apartamento, aqui não há degraus ou desníveis. Tento improvisar degrauzinhos com caixotes, por exemplo, mas Enzo só se diverte mesmo quando sobe e desce (ad infinitum, diga-se) escadarias reais. Ou seja, fora de casa.

Até aí, tudo bem. O problema -que justifica a repreensão de mim para mim mesma- é que demorei horrores para notar isso e, consequentemente, para começar a oferecer uma rotina de passeios e atividades extra-lar para o Enzo. Foi só quando visitamos a primeira escola, e eu pude ver como ele estava afoito por um contato maior e mais livre em outros ambientes, que comecei a levá-lo diariamente para brincar fora do apartamento.

A segunda repreensão explica a primeira: mesmo trabalhando em casa, ao lado do pequeno, fui ausente e me afastei do Enzo. Prova disso é que nem percebi que meu minimenininho estava crescendo, tendo outras necessidades. Na correria, na tentativa de dar conta de tudo, perdi a mão. E, sem desculpa nem autoindulgência, confesso que perdi a paciência também. É bem mais fácil trabalhar profissionalmente que cuidar (de) e educar filho. Daí que a saída mais agradável para o impasse trabalho x filho acabou sendo privilegiar um pouco mais o trabalho. Não na prática, que com o bebê acordado praticamente não dá para trabalhar. Mas na intenção, sabe como? Estava com Enzo querendo estar trabalhando. Claro que não era uma opção consciente, mas não deixava de ser um tipo de escolha. Resultado: nem trabalhava nem me dedicava a contento ao Enzo e ainda ficava irritadíssima e distante emocionalmente do pequeno.

De modo que, como resposta, meu filho, que era um doce de menino, foi ficando cada vez mais irritadiço, impaciente, exigente, mal criado. Ao meu afastamento emocional, ele reagiu da única forma que conhece.

E eu, que esperava enfrentar as “birras” (odeio essa palavra pela carga negativa em relação aos pequenos, mas na falta de outra melhor…) só quando Enzo tivesse chegado aos 2, tive de lidar com isso um ano antes.

E como eu lidei com isso? Pois é, essa é a repreensão número 3. Ao invés de me implicar na situação para entender o que efetivamente estava acontecendo para justificar tanta mudança -e tão repentina- no pequeno, passei um bom tempo perguntando: “o que está acontecendo com ELE?”.  A pergunta mais adequada, claro, teria sido: “O que está acontecendo COMIGO? E COM A GENTE?”. Cheguei a levar Enzo à pediatra, na tentativa de obter uma “luz” dela sobre razões que explicassem a inquietação tão grande num menino tão pequeno.

A resposta dela foi a mais desestimulante possível: brigue mais com ele.

Eu sabia que não tinha nada a ver com falta de limites. Conheço meu filho. Mas ainda não tinha percebido que minha atitude displicente e impaciente é que estava causando a reação irritadiça e a ansiedade no Enzo. Foi só a ida à escola e o tempo que levamos refletindo sobre essas alternativas que, por caminhos paralelos, me fizeram enxergar o quadro todo.

De prático, portanto, nada relativo a escolas e babás, mas ao meu comportamento e à minha dedicação ao meu filho.

1) Estamos saindo diariamente para passear, às vezes uma, às vezes duas vezes. Vamos a locais diferentes, alternados, e estou procurando relaxar quanto a antigas encucações para deixar Enzo brincar no chão, pegar folhinhas, mexer na terra…

2) No quesito trabalho, recorri à ajuda das mães (como já contei). Não é a solução ideal, mas como paliativo vem funcionando bem, até que Dri e eu decidamos a melhor alternativa. Mesmo nos dias em que as mães não podem vir, me policio muito para estar mesmo 100% com Enzo, relaxada. Isso tem me custado alguns atrasos, é verdade, mas não se pode ter tudo, e, conscientemente dessa vez, optei pelo meu filho.

3) Sempre que noto o pequeno mais nervoso ou impaciente, o que tem acontecido cada vez mais raramente, pergunto primeiro a mim mesma se EU estou nervosa ou impaciente, se EU estou agindo de modo diferente, se EU estou sendo menos carinhosa ou menos presente.

Tem dado muito certo, mesmo com as falhas todas a que todas nós estamos sujeitas, e tenho ganhado muitos sorrisos, abraços, beijinhos babados e gargalhadinhas, daquelas que valem o dia.

5 Comentários

Arquivado em Maternidade, reflexões

dilema revisitado # 1: o dilema

Sabe o dilema por excelência de quem é mãe, a dúvida “carreira x maternidade”? Pois é, não passei por ele. Quando engravidei, já estava trabalhando em casa, frilando em home office, e decidi que manteria esse arranjo depois que Enzo nascesse. O objetivo, óbvio, era ficar perto do meu filho, suprir suas necessidades (de afeto e colim-di-mamãe inclusive), acompanhar seu desenvolvimento e evitar que ele fosse, bebezico, parar numa dessas escolinhas tipo “estacionamento” de bebê, sabe como?

Outra razão pela qual passei ao largo dessa dúvida é que nunca tive propriamente uma dúvida, uma opção. Não considero como hipótese viável parar de trabalhar. Primeiro porque não quero. Amo o que faço, ser jornalista é parte do que me define como pessoa, escolhi essa carreira aos 13 anos e, antes disso, aos 6, por mais precoce que pareça e guardadas as devidas proporções,  já sabia que trabalharia escrevendo. Ganhei uma máquina de escrever dos meus pais com 7 anos e, dias depois, já tinha escrito um “livro” e tentado vendê-lo ao jornaleiro da esquina.

Acho importante dar atenção integral ao Enzo, sei que ele precisa disso e que, especialmente nos dois primeiros anos de vida, o contato com os pais, a proximidade, a disponibilidade irrestrita e o afeto são essenciais para o desenvolvimento emocional sadio dos pequenos. Mas também sei que eu preciso estar emocionalmente saudável para criar um filho emocionalmente saudável. E é claro para mim que eu jamais conseguiria isso abdicando de algo que é essencial.

Segundo motivo pelo qual não é viável deixar de trabalhar: a grana, óbvio. 1) O equilíbrio do nosso orçamento doméstico depende do que eu recebo frilando; 2) Não acho justo com o Dri que pese apenas sobre as costas dele o ônus de botar dinheiro em casa. É pressão demais, responsa demais. Aqui em casa, somamos forças, não dividimos; 3) Não gosto da ideia de depender financeiramente de ninguém, nem por algum tempo nem como opção para a vida toda. Já vivenciei histórias demais de mulheres que, por uma ou outra razão, acabaram abdicando do seu meio de sobrevivência e depois, anos mais tarde, ficaram literalmente sem nada, dependendo de “favores” de ex-maridos, filhos e quetais. Sei que há legislação, que essas mulheres tinham direitos, mas não foi bem assim que os parentes enxergaram a situação. Vi mulheres que trabalharam a vida inteira para dar a melhor assistência aos filhos serem chamadas de “preguiçosas” porque nunca “trabalharam”.

Não quero isso pra mim. Quero a liberdade de pagar minhas contas, de decidir meu destino, de pagar pelas minhas escolhas literalmente. E isso, feliz ou infelizmente, nesse mundo capitalista de meodeos, só quem tem verbas na conta bancária- ainda que minguadinhas como as minhas.

Tudo isso pra chegar ao ponto: se me safei do dilema lá no comecinho, estou vivendo o dilema hoje, com outra roupagem, disfarçadinho. Explico: meu arranjo home office deu certo por todo esse tempo porque Enzo era um bebezico. Conforme ele foi crescendo, a coisa foi complicando em termos de tempo livre para trabalhar. Contei em vários posts perrengues pelos quais passei recentemente para conseguir entregar matérias em dia. Uma coisa era trabalhar quando Enzo tinha semanas, meses, um semestre. Nessa fase, meu minimenininho praticamente dormia o dia todo -ou quase isso. Lembro que, aos 6 ou 7 meses, ele dava três cochiladas longas durante o dia, o que, na soma geral, me garantia aí quase seis horas livres para trabalhar.

Depois disso, como é natural, esperado e mega comemorado, as sonecas diurnas diminuíram, diminuíram até a configuração atual: cerca de duas horinhas de sono (um pouco mais às vezes, mas eu tenho tentado limitar para garantir um sono bacana e de qualidade durante a madrugada), o que significa que mamãe aqui consegue fazer pouco, muito pouco durante o dia.

Daí que rola: 1) mais trabalhos na madrugada; 2) mais estresse e correria; 3) impossibilidade de assumir mais frilas (necessários para manter minhas contas em dia).

Temos queimado as pestanas aqui em busca de soluções realmente viáveis e que nos deixem satisfeitos. Algumas alternativas, antes completamente descartadas, foram recolocadas na mesa. Uma delas seria contratar uma babá que ficasse com Enzo ao menos por meio período, especialmente na parte da tarde, que é quando eu tenho mais volume de trabalho, mais chance de fazer entrevistas etc. A outra seria colocar Enzo numa escolinha pelo menos em período semi-integral, o que me renderia aí cerca de cinco horas de trabalho diárias.

A babá me agrada porque, por essa solução, Enzo continua ficando o dia inteiro comigo, em casa, sob meus olhares e cuidados, à vontade, mantendo sua rotina de sempre e ganhando colinho de mãe quando quiser. Já a escolinha tem o ponto positivo de colocá-lo em contato com outras crianças (o que ele adora e do que sei que sente muita falta) e estimulá-lo mais. Enzo é curioso, inteligente, desbravador. Ficar em casa tem sido entediante para ele (tem post no forno sobre isso, mas não tenho dado conta de escrever tudo o que rascunho) e noto que qualquer novo ambiente e desafio o deixa absurdamente feliz (vou contar a experiência dele numa escolinha que visitamos no próximo post, prova disso que escrevi agora).

Por outros lados, confesso, não gosto da ideia de ter uma babá cuidando do Enzo. Acho que ele vai ficar com todo o lado negativo de não estar comigo o dia todo sem ganhar nada em troca (como ganharia na escolinha), pois, na prática, vai passar as tardes com uma estranha mas sem o lado bom de conviver com outras crianças e aprender, ser estimulado.

Mas tudo o que li sobre as escolas, e especialmente as opiniões de especialistas que respeito muito, como a do Dr. José Martins, que responde perguntas de leitoras no blog da Paloma Varón, sugere que se espere pelo menos até a criança completar 2 anos. Há quem recomende aguardar um pouquinho mais, até os 3. Ou, ainda, caso as crianças convivam com outras crianças em casa, colocar na escola só dos 4 em diante. E eu concordo com isso, acho que faz muito sentido e, mesmo que tenha gostado do que vi nas escolas que visitamos até agora (relatos no próximo post), acho cedo demais para colocar meu filho nelas.

E aí, como faz?

Por enquanto, como medida paliativa, Dri e eu sentamos com as nossas respectivas mães e pedimos, literalmente, socorro. Elas sempre ajudaram na medida do possível, e essa ajuda sempre foi muito bem vinda. Mas estamos precisando de mais. Minha sogra acha que não é mesmo hora de Enzo ir para a escolinha, de modo que está disposta a ajudar no que precisarmos.

Minha mãe compreende que, além de tudo, ainda temos o problema da grana: não sei como é em outras cidades, estado e países, mas por aqui as escolas são caras. Mesmo. Então, também topou vir duas vezes por semana, às tardes, ficar com Enzo.

Não é o ideal nem para mim nem para elas, que têm suas próprias vidas, outros compromissos e já criaram os próprios filhos. Mas é o que temos para o momento enquanto não decido se vamos de babá, de escolinha, se esperamos mais um pouco, como nos arranjaremos nesse caso etc.

Alguma sugestão?

7 Comentários

Arquivado em Maternidade, reflexões