Arquivo da tag: TV

a (falta de) TV e o “computador” do filho

Faz 15 dias que estamos sem TV. Quer dizer, o aparelho continua firme e forte, funcionando (até onde eu sei), no mesmo lugar onde está desde que tiramos da caixa. A diferença é que, faz duas semanas, ele permanece desligado durante o dia todo, pelo menos até a hora do filho ir para a cama.

(*)

(*)

A princípio, eu queria apenas diminuir o tempo de exposição do Enzo às telas. Observando o comportamento recente dele, havia percebido um aumento muito grande de interesse pelos programas televisivos e, na mesma proporção, a diminuição (ou perda completa) de interesse por atividades lúdicas quaisquer.

Sempre fui favorável a estimular uma infância com pouca TV porque sempre acreditei que TV distrai do que é importante. Ligar o aparelho muitas vezes é desligar-se, especialmente no caso das crianças, em que a relação delas com o mundo pode ser tão intensa e frutífera e que a criação e a descoberta ainda estão tão potentes (ainda não desaprenderam a inventar). Criança não bloqueia a criação nem a percepção racionalizando e tentando explicar/entender logicamente o mundo, como a gente faz. Criança primeiro sente, cria, primeiro ousa, experimenta. Depois apreende o sentido lógico, que é só uma das faces de qualquer coisa. A Ana Thomaz diz que as crianças têm os sentidos ainda muito abertos e usam muito mais do que a parte racional do cérebro (os famosos 5%) que os adultos usamos. Concordo.

Para os pequenos, um objeto é muito mais do que a função utilitária que ele tem. É também forma, cor, textura, cheiro, som, gosto e zilhões de possibilidades de percepção e aplicação. Ou, de outra forma, uma tampa de panela jamais viraria uma direção de carro, confere? E isso não é “só” brincadeira. Quem disse que alguém começa a aprender a dirigir quando senta no carro da autoescola? Para mim, criança começa a aprender tudo sobre tudo não apenas quando faz as perguntas racionais e lógicas aos adultos sobre o que é isso ou o que é aquilo, mas principalmente quando (e porque) se permite experimentar todas as coisas, observar, testar, imaginar, inventar e reinventar usos reais e imaginários e absorver das coisas tudo o que elas têm para dar, sem limites. Elas acham as próprias respostas antes de fazer as perguntas.

Só que esse percurso de criação e experimentação pode ser atrapalhado, entre outras coisas, por tecnologia e brinquedos prontos (ou “ultraprontos”, tipo a boneca que come, faz xixi e fala). Aliás, isso explica porque criança pequena não gosta muito de brinquedo, prefere embalagem. Para criar, é preciso algum vazio; alguma coisa por fazer, certo? E para mim fez muito sentido na prática, como disse, pela observação do meu filho. Quanto mais ele preenchia seu tempo com entretenimento, menos criava. Resolvi ampliar as possibilidades de criação dele pelo modo mais óbvio: diminuindo a distração.

(**)

(**)

No primeiro dia em que fiz isso, recorri a um expediente muito conhecido entre as mães: a mentira. Não me orgulho, mas… menti descaradamente. Como de costume, ele começou a pedir para ligar a TV assim que acordou, antes mesmo do café. Desconversei. Não deu certo. Então apelei: “filho, sinto muito, mas a TV quebrou”. Esperto que só, não acreditou muito. Retrucou com um “a mamãe ti mosta que quebou“. Improvisei um teatro, dei uma disfarçada com o controle remoto e, bem na hora em que o desenho que ele pediu ia começar, desliguei. “Está vendo, filho, quebrou”. Se convenceu.

Tinha planejado ligar mais à tarde e deixá-lo ver o desenho que quisesse. Mas, para minha surpresa e admiração total (ou não, porque no fundo eu esperava que isso acontecesse), ele simplesmente esqueceu que a TV existia. E foi brincar. Brincou com guache, depois com os carimbos (lavou as almofadas de tinta dentro do copo de água, de modo que saiu toda a tintura e as ditas cujas foram pro lixo), desenhou com giz de cera e lápis de cor, tirou tudo para fora da caixa de brinquedos e voltou a usar muitos que fazia tempo nem ligava, encaixou e desencaixou inúmeras pecinhas, conversou com os bichos de pelúcia, pegou o edredom do meu quarto e fez uma cama para a Branca e para o Pimpão (a coelha e o urso, respectivamente, com quem ele dorme todos os dias), “telefonou” para um monte de gente, correu. Nem um minuto parado. Dormiu cedo, exausto.

Esperei para ver como seria no dia seguinte. Pediria ou não para ver “Charlie e Lola”? Não pediu. Tomou café e foi brincar de novo. Como ele não pedia para ligar a TV, eu simplesmente ia deixando desligada. E assim estamos. Ele não pede, eu não sugiro. Os personagens de que ele gostava, que antes eram parâmetros para todas as (poucas) brincadeiras, surgem esporadicamente nas fabulações dele, que agora são muito mais criativas e reveladoras do que ele realmente observa, pensa e sente. E isso tem sido um aprendizado para mim também, porque vejo nossa dinâmica refletida e consigo perceber, por exemplo, quando ele se chateou com alguma coisa ou quando ficou impressionado com algo que eu (ou as pessoas próximas) fiz (fizeram). Brincadeira (assim como a arte) também é comunicação.

Dia desses ele pegou meu edredom, colocou no sofá, “guardou” sob ele a Branca e o Pimpão, cobriu metade das pernas (sob um calor de 35º C) e me chamou. Sentei onde ele indicou (bem ao lado dele) e então começou a brincadeira: “Agola não é mais o Enzo, é a majetade. E eu estou levando a mamãe de tem pro paque“. Majestade é uma personagem de um livro que ele adora (e que nem temos em casa; a gente lia numa biblioteca pública). Trem é o veículo utilizado num dos episódios de que ele mais gosta do “Backyardigans”. E o parque é a praça onde vamos com ele com frequência nos finais de semana. Bem mais rica e imaginativa essa brincadeira do que simplesmente reproduzir falas do “Mr. Maker”… E isso é só um exemplo. Porque uma criança que brinca o dia inteiro sem parar (pausas esporádicas para me ajudar a lavar o tomate cereja e preparar o almoço ou arrumar a casa…) diz muito sobre o bom estado da sua criatividade, confere?

Mas eu soube mesmo que está dando certo e que estamos no bom caminho sem a TV anteontem. Da mesa da sala, onde trabalho às vezes, vi e ouvi o pequeno brincando (porque a gente trabalha em casa sempre com um olho no peixe e outro no gato, né?). E eis que Enzo pegou um livro fininho, mas de capa dura, colocou deitado em cima do móvel da TV e abriu a capa, levantando-a apoiando-a no aparelho. Começou a “digitar” no livro aberto como se fosse o notebook. Tirou uma das mãos do livro, levou ao ouvido, e então ficou um bom tempo “conversando” e fazendo “perguntas” sobre valejo (varejo, área que eu cubro como jornalista). Aí se despediu (“xau, xau, bigadu“), colocou o “telefone” de volta na mesa da TV, baixou a capa do livro e, satisfeito, disse para si mesmo: “Ponto, posso fechar o compodoi que eu já acabei minha entevita“.

(*) Mafalda veio daqui e (**) o Calvin eu achei nesse endereço ó.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Maternidade, reflexões

a infância que não cabe na TV

(*)

(*)

A gente até sabe que a Academia Americana de Pediatria (AAP, na sigla em inglês) recomenda que bebês até 24 meses não assistam à TV e que crianças a partir dos dois anos vejam, no máximo, duas horas diárias de programação televisiva. A gente até sabe que os argumentos principais da AAP para essa restrição fazem sentido. Segundo pesquisas daquela academia, ficou evidente que a TV prejudica a sociabilização das crianças com suas famílias, atrapalha a aquisição da linguagem e está no pacote do estilo de vida causador, em crianças, de doenças como obesidade, hipertensão e diabetes tipo 2.

Se isso já não fosse motivo suficiente, tem mais: psicólogos têm apontado que o uso insistente das telas (**) diminui a concentração e a capacidade criativa das crianças. Tem textos interessantes para se começar a pensar sobre esse efeito aqui, aqui e aqui também. O tédio e o ócio, tão próprios da infância e tão importantes para o livre brincar e o desenvolvimento dos pequenos, são bastante prejudicados quando a criança fica boa parte de seu tempo diante de dispositivos eletrônicos. Para se entendiar a ponto de criar a partir disso, é preciso não ter distrações. Para ter tempo livre e “fazer nada” a ponto de achar algo realmente interessante pra fazer (e até para poder descobrir o que é interessante naquele momento), não se pode estar inerte diante de um aparelho que faz quase tudo sozinho.

Tudo o que vem pronto para a mão dos pequenos tira deles a possibilidade de experimentar, de criar. E é nessa experimentação, nessa criação, que eles são, que eles vivem.

Essa infância, a infância potencializadora, livre, plena, essa não cabe na caixa. Não cabe na TV (nem na escola, mas esse é outro assunto). Essa simplesmente não cabe nesse modelo de vida que a gente leva (outro assunto que rende). A infância da TV é a infância do entretenimento. E entretenimento não goza de muito boa reputação por aqui (“distração”, diz o dicionário. E quem disse que distração é coisa boa?).

Mas, o caso é que, no dia a dia, na realidade dos nossos afazeres e das nossas muitas limitações (inclusive de espaço, uma vez que muitos de nós moramos em apartamentos cada vez mais minúsculos), acabamos por fazer concessões a muitas coisas, inclusive à TV e às telas.

Aqui não foi diferente, especialmente quando comecei a lidar, ao mesmo tempo, com as tarefas do trabalho e com as tarefas de mãe. Como fazer uma entrevista de 40, 50 minutos com a cria chorando, querendo atenção e brincadeira? Liga a TV! Dá o celular para ele brincar! Bota um joguinho no tablet! Tudo errado, eu sei.

Resultado disso é que parte dessas coisas que eu só lia em teoria, estou vendo acontecer aqui em casa. Responsabilidade minha, meu pequeno, se eu deixar, passa o dia diante da TV. Justo ele que, há poucos meses, só assistia a programas com muita, muita insistência. Nós passávamos o dia inteiro com a tela desligada. O.Dia.Inteiro.Sem.Nadica.De.TV. Enzo nem se aproximava dela. E brincava, como brincava. Com tudo e qualquer coisa, das panelas, tampas, colheres e utensílios aos brinquedos, gizes de cera e papéis.

Nem parece o mesmo garoto que, agora, acorda e vai logo pedindo  “qué vê o Mêique” (no caso, o Mr. Maker, aquele programa inglês ótimo –só que ao contrário– de “artes” [hã hã] para crianças). Nem parece o mesmo que se planta diante da TV pra ver Sid ou DVD do Palavra Cantada ou qualquer coisa que esteja passando.

Enzo se desinteressou pelos utensílios domésticos, pelos não-brinquedos tão interessantes que sempre chamaram a atenção dele e desenvolveram sua criatividade; se desinteressou por vagar pela casa à cata do que fazer. Ele brinca muito, mas brinca melhor com a TV ligada, no melhor estilo “um olho no peixe, outro no gato”. As brincadeiras todas agora envolvem o Maker e o Sid. Ele continua criativo, mas a criatividade deles agora se baseia no que vê na TV. Cria a partir do Maker, a partir do Sid, a partir do Palavra Cantada. A TV virou sua referência.

Um dia, cheguei na sala e vi uma cena que me chocou profundamente: Enzo sentadinho, comportadinho, perninhas cruzadas, tão absorvido, mas tão absorvido, que não piscava! Não me viu ali –e olha que eu fiquei um tempão parada, chamando a atenção, falando. Ele nem olhou. Estava igual ao Calvin e ao Haroldo da tirinha aí de cima.

Que desperdício de talento, que desperdício de vitalidade, que desperdício de energia criadora, que desperdício de criatividade. Crianças não foram desenhadas para não criarem, para receberem a coisa criada pronta. É da natureza deles gerar coisas. É na geração, na fabulação, na invenção, na reprodução, na ressignificação, na construção/descontrução que eles se conhecem, olham pra si mesmos, constroem sua autoestima, desopilam, extravasam frustrações, se divertem, sentem prazer, curtem a vida, aprendem, crescem, se sociabilizam, questionam e se estimulam. É um ciclo virtuoso. Que a TV quebra. Vi isso acontecer aqui, é evidente. TV não é inofensiva.

E eu, que sempre fui favorável a oferecer pouca TV, mas que cheguei a julgar “exagerados” alguns pais que criaram os filhos sem o acesso nenhum ao aparelho, estou revendo muita coisa porque a prática que eu vi, vejo e estou vivendo aqui em casa me mostrou que a teoria faz todo o sentido.

Também estou num momento de revisão de valores, de questionar “verdades” que são tomadas como “universais” e “naturais” da condição humana (e nem estou falando dos “ismos” –machismo, racismo, sexismo–, mas de coisas bem mais profundas e ancestrais, talvez originárias dos preconceitos todos).

Tenho descoberto, gratidão especial à Ana Thomaz e ao Humberto Maturana, que muito do que a gente acha que é uma característica humana ou uma manifestação da condição humana, válida para todos os seres humanos no planeta, na verdade, é uma construção social. Ou consequência de padrões socialmente definidos pela nossa civilização. Daí concluí que, se é uma construção social e não faz sentido (como muitas dessas construções não fazem sentido pra mim), pode ser simplesmente desconstruída. Não no mundo lá fora. Mas aqui, na minha casa, na minha vida, no meu dia a dia.

E, nesse contexto, é ainda mais importante não atrapalhar o processo criativo do meu filho e a comunicação livre e fluida que ele tem com ele mesmo, característica de todas as crianças, justamente porque ainda não foram “educadas”, enquadradas, encaixadas, “socialmente construídas”.

Tamo junta, Mafalda! (***)

Tamo junta, Mafalda! (***)

[Tem um post interessante, recente, da Ana, que fala um pouco sobre isso. Não sobre TV, mas sobre a capacidade de conexão das crianças. Recomendo. Vá por aqui]

Então estou colocando em prática umas adaptações à nossa rotina para diminuir a exposição do Enzo à TV. Para começar, estou tentando observar e registrar o tempo em que a TV fica ligada, para ter ideia de em que pé estamos quanto ao consumo das telas. Sinceramente, não faço ideia de por quanto tempo o pequeno fica exposto.

O segundo passo é entender o percentual de atenção exclusiva que Enzo concede à TV. Porque, em geral, ele pede para ligar, assiste por dez, 15 minutos, e vai fazer outra coisa. O aparelho fica ligado, a pedido dele, que de vez em quando volta para dar uma olhadinha. Mas boa em parte desse período, ele está fazendo outra atividade.

Não que isso mude muita coisa. TV ligada é TV ligada. O caso é que eu quero entender bem a dinâmica dele com o aparelho para descobrir quais necessidades estão sendo transferidas para as telas.

Outro passo é me estruturar melhor para: 1) ter condições de sair com ele de casa para atividades ao ar livre (ou em outros ambientes) todos os dias e 2) poder oferecer alternativas verdadeiramente interessantes. Muitas delas dependerão mais de mim do que depende o consumo das telas.

Não quero proibir. Não acho proibição eficiente. E –o principal– é uma violência, um desrespeito, uso do poder e da força. Estou procurando não usar o poder com ele. De modo que a ideia não é que eu limite, mas que eu proporcione um ambiente tão bacana e adequado a ele que o filho mesmo prefira outras atividades mais instigantes.

Que TV que nada! Criança gosta mesmo é de criar

Que TV que nada! Criança gosta mesmo é de criar

Hoje, por exemplo, a TV ficou ligada na parte da manhã e num pedaço da tarde. Depois do almoço, ele me pediu para pintar com as tintas guache que ganhou ontem e deu muito certo. Esqueceu completamente da TV e passou a tarde todinha (e uma parte de noite: só topou tomar banho às 2oh!) pintando. Conectado, entregue, feliz, muito feliz. Nem sombra de irritação, aquela irritação de tédio que ele tem com frequência quando fica muito tempo vendo TV (ou fazendo alguma coisa vazia, que preenche tempo, mas não a necessidade dele).

Sei que é bem possível que ele reduza seu interesse pelas telas, porque sei que eu “viciei” Enzo em TV; porque já tivemos uma experiência semelhante com celular (em restaurantes, ele só parava quieto mexendo no aparelho. Hoje, basta levar giz e papel); porque criança não precisa nem gosta genuinamente de TV (ou das telas). O aparelho é apenas sedutor e fácil.

Para nós, acho que o caminho é esse. Sem pressa. Sem cobranças –nem de mim para mim, tampouco de mim para ele. Aproveitando o processo. 

(*) A tirinha do “Calvin e Haroldo” eu peguei daqui.

(**) Para este texto, “telas” (celular, tablet, notebook, desktop, games e congêneres) e “TV” são quase sinônimos. Tudo o que escrevi sobre a última, vale para as primeiras.

(***) A tirinha da “Mafalda” (Quino é um gênio!) veio daqui ó.

13 Comentários

Arquivado em Maternidade, reflexões