por que sou contra propaganda para crianças

Sou leiga. Não tenho argumentos acadêmicos nem conhecimento para fazer um debate em profundidade. Mesmo assim, como mãe e como cidadã, sou contra a publicidade dirigida ao público infantil, pelo menos da forma como é hoje. Tenho lido manifestações sobre isso aqui, ali e acolá, muitas mães, ONGs e interessados estão debatendo o assunto há pelo menos uma década e, recentemente, a ABAP, que é a associação dos publicitários, resolveu defender os interesses da categoria jogando toda a responsabilidade nas costas dos pais e das escolas (vou falar sobre isso mais pra frente), o que esquentou a discussão e os ânimos. Senti, pois, que era hora de me manifestar também.

Como leiga, mãe e alvo de publicidades a vida inteira, sou contra a propaganda para crianças especialmente pelo seguinte:

1) Desrespeito à infância: o consumismo é contrário à inocência da infância. Trata-se de um grupo de valores essencialmente do mundo adulto e que promove “valores” como o ter pra ser, o que já é questionável entre adultos, que dirá para crianças. Quando falo em inocência, não me refiro à sexualidade. Para mim, a inocência infantil é olhar o mundo sem cinismo, sem competições, sem cisão. Criança é gregária. Nós, adultos, é que “ensinamos” a eles como repelir o diferente. E a publicidade e a mídia, disseminando o consumismo, estimulam as crianças a abrirem mão da infância, a apegarem-se a valores adultos para “sentirem-se alguém”, já que, reza a cartilha do consumo desenfreado, ser alguém virou sinônimo de ter alguma coisa. Às favas, portanto, com o respeito próprio pelo que se é, ao respeito ao outro pelo que ele é.

A publicidade e o consumismo disseminam, além do mais, valores estereotipados sobre sexualidade, classe social, comportamento de gênero, raça, religião. Outro desrespeito à infância e à liberdade de pensamento, experimentação e ao lúdico, característicos dessa fase. Hoje é muito comum -movimento que penso que começou quando eu era criança, nos anos 80- os pequenos preocupados com salário dos pais, com os carros dos pais, com a posição social dos pais e com outros indicadores de status familiar na sociedade.

Também vejo com frequência crianças culpando os pais por não terem dinheiro para lhes dar esse ou aquele modelo de celular, roupas da marca X ou acesso a salões de cabeleireiros com a mesma frequência que os pais das amigas oferecem às filhas. Vejo com tristeza meninas de 10 anos ou menos alisando seus cabelos, pintando os cabelos, pintando as unhas. Eu também fiz isso e é natural que as meninas copiem as mães e mulheres mais velhas, mas quando acontece ocasionalmente e quando é lúdico. Tornar esses comportamentos como padrão é encurtar a infância, coisa estimulada pela mídia em geral, incluindo aí as propagandas para crianças.

2) Convencimento: publicidade é, basicamente, tentar convencer você a comprar algo de que não precisa. Se precisasse, você mesmo já teria comprado, sem “ajuda” de ninguém. E esse convencimento não é feito na base do argumento racional. Até tem informações realmente importantes em comerciais de TV, revistas, jornais. Mas o principal conteúdo publicitário é aquele que fala aos desejos e aspirações e dá uma banana à  alegada racionalidade.

Uma coisa é fazer isso com adultos, teoricamente mais capacitados para separar o joio (apelo às emoções) do trigo (as informações que realmente valem a pena e ajudam a tomar uma decisão racional de compra), teoricamente mais seguros de si e menos vulneráveis às imagens publicitárias sobre o que é “bom”, o que é “belo”, o que é ser “legal”, o que é ser “bem sucedido”.

Outra bem diferente é usar as crianças para obter lucros. O mesmo jogo manipulatório que se instala com os adultos (inflamar desejos latentes e fazer crer que o produto “y” vai proporcionar determinada coisa -que não é bem o produto em si) é reproduzido com os pequenos. Só que os pequenos são…pequenos, estão em formação, são mais vulneráveis, pois.

Acho moralmente questionável usar esses métodos com crianças, para dizer o mínimo. Acho moralmente questionável, para dizer o mínimo, que as empresas falem diretamente às crianças e usem os pequenos para ganhar dinheiro. Por quê?

3) Tratar desiguais como iguais é violência: Por isso. Porque tratar crianças como se fossem iguais aos adultos, ali no limite entre a malandragem e a falta completa de ética, é uma violência. É manipulação pura e simples em busca de lucros. É saber que as crianças não estão prontas para “dialogar” com os conteúdos publicitários e aproveitar isso em benefício próprio para vender mais.

Dito isso, não sei qual seria o modelo ideal, se proibir totalmente ou regular-se limites, por exemplo, por faixa etária (crianças de 2 anos são diferentes de crianças de 8 que são diferentes de pré-adolescentes de 12). Mas é fato, pra mim, que como está não pode ficar. Acho um desrespeito à infância. E se isso tudo já não fosse motivo suficiente, tem mais:

O modelo atual é falho, na minha opinião, também por causa da tal autorregulamentação. Não acredito nela. Não quando há tantos interesses e tanto dinheiro em jogo. O mercado publicitário no Brasil (no mundo?) é bilionário. É só dar uma olhada aqui e aqui para comprovar. Faturou R$ 28,45 bilhões em 2011, segundo dados do Projeto Inter-Meios, do jornal Meio & Mensagem. Acha mesmo que eles vão contrariar os próprios interesses e arriscar ganhar menos?

Daí quando todo mundo achava que, de repente, fosse possível estabelecer algum diálogo civilizado com a turma da publicidade e com as empresas que eles representam, eles me aparecem com essa campanha aqui, que diz que “somos todos responsáveis” querendo dizer “vocês, pais, mães e educadores, que se virem com os seus filhos”.

Eles defendem, por exemplo, na página que criaram para a tal campanha, que pedir brinquedos é saudável, pois isso ensina as crianças a almejar coisas. Que argumento mais ridículo, com todo o respeito. Querer coisas é inerente ao ser humano. Nós já queríamos coisas bem antes de inventarmos as fábricas de brinquedos. A evolução do homem não começou quando as fábricas de brinquedos nasceram. E há coisas e coisas a serem almejadas -uma boa discussão, aliás. Há quem queira ensinar aos filhos que é possível desejar SER alguma coisa. Os publicitários querem que os nossos filhos só desejem TER alguma coisa.

É mesmo diálogo que os publicitários querem quando tentam empurrar goela abaixo argumentos desses? Dá mesmo para confiar no bom senso de quem argumenta uma bobagem dessas para decidir os limites da propaganda infantil? Eu acho que não.

E penso que é sim papel nosso -de pais e mães- orientar nossos filhos em relação ao mundo em que vivem, o que inclui publicidade, consumismo, desejos, modelos de vida, estereótipos etc. Mas não podemos ser os únicos responsáveis por isso, como se não houvesse responsabilidade nenhuma no ato deliberado de se tentar manipular um desejo infantil para lucrar mais com ele…

Também precisamos ser realistas e perceber que, com a publicidade como está, o embate entre pais x mídia é desigual, com larga vantagem para o conteúdo da propaganda, baseado em pesquisas sofisticadas, psicologia, manipulação de desejos inconscientes e por aí vai. Por mais que sejamos presentes, que nosso maternar/paternar seja ativo, vamos sempre usar a racionalidade para mostrar aos nossos filhos o mundo que nos cerca. Os publicitários, não.

Para os publicitários, eu digo o seguinte: se é para vender -e as empresas têm todo o direito de tentar comercializar seus produtos- como bem lembrou a Mari, que vendam para mim. Aí sim o jogo será mais equilibrado. E, claro, aceitem a responsabilidade integral quando forçarem a barra, aceitem que sermos “todos” responsáveis inclui vocês aí, das agências, das indústrias, do marketing, do desenvolvimento de produtos para crianças. Aí sim a gente pode começar a achar que vocês querem dialogar de verdade, pensando no interesse coletivo. Aí sim quem sabe eu acredite no CONAR.

Porque é fácil encher a cabecinha dos pequenos de informações manipuladas e dizer que responsáveis somos os pais, né? Então os publicitários se responsabilizam pelo quê mesmo?

Quanto à regulamentação, penso que o Estado que, em tese, somos todos nós representados, esteja aí para isso também, mesmo sendo o Brasil um país capitalista. O Estado deve regular as relações comerciais e as relações entre desiguais. Do contrário, vira um “quem pode mais, chora menos”. A Constituição Federal e o ECA deixam bem claro, falando especificamente de infância, que é dever do Estado proteger as crianças. Não vejo nenhum problema em regulamentar, portanto, a publicidade infantil que, bem ao contrário do que pode parecer, não é uma simples disseminação de conteúdo. É tentativa de arrancar uns trocos a mais de crianças inocentes colocando em risco a infância delas, sua visão de mundo e seu respeito próprio.

Recomendo a leitura, para quem quer saber mais, de alguns posts bacanas, que fazem refletir:

http://www.viciadosemcolo.blogspot.com.br/2012/03/infancia-livre-de-consumismo.html

http://www.viciadosemcolo.blogspot.com.br/2012/03/neide-teve-e-propaganda.html

http://www.whatmommyneeds.net/2012/03/por-que-eu-nao-sou-favor-da-proibicao.html

http://blogdodesabafodemae.blogspot.com/2012/03/somos-todos-responsaveis-mesmo.html

http://publicidadeinfantilnao.org.br/

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em Maternidade, paternidade, reflexões

4 Respostas para “por que sou contra propaganda para crianças

  1. Pingback: a alma do negócio | mãederna

  2. Pingback: pitacando no Mamatraca | mãederna

  3. Parabéns! Concordo de A a Z, tomei a liberdade de compartilhar no face.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s